HomesegurançaCovid-19 e segurança no trabalho, Protocolo 24.4.20. O ABC

Covid-19 e segurança no trabalho, Protocolo 24.4.20. O ABC

Protocolo 24.4.20 - partilhado pelos parceiros sociais e anexo ao Decreto Primeiro-Ministro 26.4.20 - integra e actualiza omedidas de combate e contenção da propagação do vírus Covid-19 no local de trabalho '' contido no Protocolo 14.3.20. Isso introduz a fase 2 da emergência, aprendendo a conviver com o vírus na retomada gradual das atividades laborais. O ABC a seguir.

Objetivos

O Protocolo 24.4.20 constitui uma diretriz destinada a organizações públicas e privadas, cujos gestores devem adotar protocolos de segurança eficazes para combater e conter a disseminação da COVID-19 no ambiente de trabalho e nas atividades afins.

Objetivo prioritário é conciliar as necessidades económicas e laborais com a garantia efetiva de um elevado nível de prevenção do contágio de um vírus altamente transmissível. Mesmo ao custo de sacrificar algumas atividades produtivas que podem ser temporariamente reduzidas ou suspensas em favor daquelas consideradas mais estratégicas.

instrumentos

La rarefação comparecimento (nos locais de trabalho e seu entorno imediato) é a ferramenta essencial para prevenir a transmissão do novo coronavírus em sua forma primária, o contato direto. Uma vez que o contágio também pode ocorrer através de indivíduos assintomáticos ou paucissintomáticos, é fundamental garantir o distanciamento social através da reorganização dos espaços, com acessos regulados e percursos pré-definidos.

Aprendendo a conviver com o vírus impõe uma revolução cultural que está por vir compartilhado e enriquecido pela experiência dos próprios trabalhadores. Em uma lógica de precaução. Em relação a:

- procedimentos definidos em cada organização,

- indicações da Autoridade de Saúde,

- padrões nacionais, regionais e locais.

Organização do trabalho na era Covid-19

Eles são confirmados as recomendações já estabelecidas no Protocolo 14.3.20, às quais análise chama a si mesmo. A organização do trabalho, em primeiro lugar, deve continuar a respeitar os seguintes critérios básicos:

- trabalho ágil, em uma perspectiva de longo prazo,

- férias e férias, na lógica da rarefação das presenças no local de trabalho,

- Suspensão de atividades não essenciais, tendo em vista a fase 3.

Papel ativo dos empregadores. As sete prioridades

O papel ativo é enfatizado representantes legais de cada organização. Que deve adotar adequados procedimentos e medidas cautelares. Baseado em umanálise de risco contágio, que considera as características específicas dos lugares e formas de trabalho.

Sete prioridades, deveres e responsabilidade custeadas pelos empregadores.

1) Informações a todos os trabalhadores e a todos os que acedam aos espaços geridos pela organização, mediante sinalização e instruções específicas, sobre:

- condições perigosas. Hipertermia, sintomas gripais (respiratórios e gastrointestinais), contato com pessoas positivas para Covid-19,

- obrigação de cumprir as disposições do empregador (além das regras estabelecidas e quaisquer indicações das autoridades),

- obrigação de comunicar imediatamente quaisquer sintomas de gripe ou outras condições perigosas.

2) Regulamento de acesso para funcionários e fornecedores. Medição da temperatura corporal, restrições e modulações de entradas (com horários e percursos pré-definidos para garantir a 'rarefação' de atendimento), interdição de entrada para motoristas externos, banheiros separados para trabalhadores e visitantes (incluindo sujeitos externos responsáveis ​​pela limpeza, segurança e manutenção serviços, contrato de trabalho, logística).

3) Limpeza diária no final do turno, higienização periódica de instalações, ambientes, postos de trabalho e ferramentas de trabalho, áreas e objetos de uso comum. Atenção especial é dada à higienização de ferramentas eletrônicas e cotas no uso dos espaços comuns.

4) Precauções de higiene pessoal e uso de EPI, uma garantia de cumprimento efetivo. Com nas sobre higienização das mãos e uso de máscaras.

5) Reorganização da empresa Atividades. Prioridade aos departamentos essenciais, divisão de atividades em vários turnos e grupos de trabalho (autônomos, distintos e reconhecíveis), entradas e saídas em horários escalonados, limites e quaisquer precauções adicionais em viagens internas, reuniões, viagens de negócios.

6) Gestão oportuna condições de perigo e vigilância médica e sanitária cuidadosa (com a máxima atenção aos sujeitos frágeis).

7) Verificação respeito pelas regras. Em nível intra-empresa, territorial, setorial, por meio de Comitê específico.

Verba voando, scripta manent. Razão (em cada situação de risco possível), definir (todas as medidas adequadas para mitigá-lo), registrar e compartilhar, aplicar e verificar.

Amaranta Traversa, Sarah Lanzilli, Claudio Biglia, Dario Dongo

(na capa, desenhos de Cristiano Rea)

Note

(1) DPCM 26.4.20, Anexo 6. Protocolo regulamento partilhado de medidas de combate e contenção da propagação do vírus Covid-19 no local de trabalho entre o Governo e os parceiros sociais a 24 de abril de 2020

+ postagens

Veterinário, especialista em inspeção de alimentos de origem animal. Participa em vários projetos de investigação em segurança alimentar e microbiologia. Co-autor de inúmeras monografias sobre segurança alimentar e mais de trinta publicações científicas.

+ postagens

Gerente veterinário ASL CITTA 'di TORINO, especialista em Inspeção de alimentos de origem animal, especialista em direito alimentar, tem publicado em revistas internacionais e lida, entre outras coisas, com entrega de alimentos e higiene de catering coletivo.

+ postagens

Médico Veterinário, especializado na inspeção de alimentos de origem animal. Desde 1982 é veterinário público, desde 1990 leciona nas Universidades de Turim e Teramo. Autor de mais de setenta publicações científicas e coautor de diversos textos sobre microbiologia, radiocontaminação de alimentos, vigilância, direito sanitário e alimentar, comércio em espaços públicos e comunicação em emergências sanitárias.

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »