HomesegurançaObesidade, obesidade infantil e marketing. Relatório da OMS Europa 2022

Obesidade, obesidade infantil e marketing. Relatório da OMS Europa 2022

OMS Europa publicou o relatório de 2022 sobre obesidade, obesidade infantil e o especialistas em Marketing predatória (já relatada pelo UNICEF, em 2020) que é a causa primária (1,2). 220 páginas repletas de dados estatísticos e epidemiológicos, com inúmeras referências à literatura científica das últimas décadas, evidenciam o fracasso das políticas adotadas até então para a proteção da saúde pública.

Uma verdadeira epidemia, denuncia a Organização Mundial da Saúde, com impacto desastroso na prevalência de doenças graves e crônicas (DCNT, Doenças não comunicáveis) e os consequentes riscos em termos de incapacidade e mortalidade prematura. Junk food está em toda parte, em um ambiente 'obesogênico' fomentado por práticas comerciais irresponsáveis.

1) Obesidade e sobrepeso na macrorregião europeia

Nenhum país do Velho Continente conseguiu até agora inverter a tendência de uma incidência de obesidade e excesso de peso que continua a crescer:

- a taxa de obesidade, + 21% no período 2005-2015, mais que dobrou (+ 138%) nas últimas quatro décadas (1975-2015),

- a obesidade e o sobrepeso, cumulativamente, aumentaram em ritmo mais lento (+ 8% no período 2005-2015, + 51% de 1975 a 2015).

1.1) Adultos obesos

59% dos adultos, nos 53 países da macrorregião europeia, são assolados pela obesidade e sobrepeso. Lá Sindemia Global anunciado pelos especialistas da Comissão EAT sobre The Lancet (3) tem seu epicentro aqui, onde a prevalência de obesidade em adultos é maior do que em qualquer outra região da OMS, exceto nas Américas.

O fenômeno tem 'proporções da epidemia', de acordo com OMS Europa, com pico entre homens adultos (63%) em relação às mulheres (54%). A obesidade sozinha, no Velho Continente, afeta quase um quarto dos adultos (23%), especialmente as mulheres (24%). E desigualdades socioeconômicas generalizadas - renda, educação, situação de emprego, local de residência - estão relacionadas a ela.

1.2) Obesidade infantil e juvenil

A epidemia europeia não poupa as gerações mais jovens:

- até 5 anos de idade, obesidade e sobrepeso atingem 4,4 milhões de crianças, o equivalente a 7,9% do grupo populacional considerado,

- dos 5 aos 9 anos, quase uma em cada três crianças (29,5%) está com sobrepeso e/ou obesidade, uma em cada oito (11,6%) já sofre de obesidade mórbida,

- entre 10 e 19 anos a incidência é reduzida temporariamente. Um em cada quatro (24.9%) jovens está com sobrepeso e/ou obesidade, um em cada quatorze (7,1%) obesos.

2) Obesidade, sobrepeso e saúde

Mais de 1,2 milhão de mortes a cada ano, mais de 13% da mortalidade por todas as causas no Velho Continente é causada por obesidade, sobrepeso e doenças relacionadas (DNTs). Que também representam o primeiro fator de risco para deficiência e são a causa de 7% dos anos passados ​​com deficiência.

O risco de pelo menos 13 tipos de câncer - mama (em mulheres na pós-menopausa), colorretal, endométrio, rim, fígado, vesícula biliar, ovário, pâncreas, esôfago, tireóide, mieloma múltiplo e meningioma - aumentou significativamente desde a 'obesidade'. Que na Europa agora se estima ser a causa direta de pelo menos 200 novos casos de câncer por ano, com previsões crescentes.

3) Previsões e perspectivas

Nas próximas décadas, a obesidade ultrapassará o tabagismo como um importante fator de risco de câncer evitável. As características associadas à obesidade podem agravar as consequências da Covid-19, principalmente para o trato respiratório e comprometimento imunológico. Pessoas com obesidade estão em maior risco de doenças clinicamente graves e mortalidade por COVID-19.

4) Europa, um ambiente 'obesogênico'

OMS ele se refere explicitamente à Europa como um ambiente 'obesogênico'. Ou seja, um contexto sociocultural e econômico que estimula - e não dificulta - o desenvolvimento da obesidade, da obesidade infantil e do sobrepeso. Seus fatores são conhecidos, embora completamente ignorados ou quase ignorados pelos decisores políticos, também devido às influências malévolas (4) de entrada di Comida grande:

- especialistas em Marketing irresponsável dos alimentos ultraprocessados ​​HFSS (Rico em gorduras, açúcar e sódio), aliás junk food (ou comida sem qualidade),

- prevalência de alimentos HFSS e seu menor custo, na oferta comercial, em comparação com alimentos mais balanceados do ponto de vista nutricional.

5) Comida grande, especialistas em Marketing irresponsável

'Globalmente, as indústrias de alimentos e refrigerantes gastaram mais de US$ 33 bilhões em publicidade de seus produtos em 2020.

A exposição a comercialização de alimentos e marcas não saudáveis ​​normaliza o consumo de alimentos não saudáveis ​​e influencia atitudes, expectativas e comportamentos de compra e consumo ao longo da vida, principalmente nas crianças'.

As crianças estão sob o cerco de especialistas em Marketing obesogênico de Comida grande em qualquer contexto da vida cotidiana. Em primeiro lugar no ambiente digital, assim como na TV, em supermercados, escolas e até em instalações desportivas.

5.1) Marketing obesogênico digital

'O ambiente digital a alimentação está em grande parte ausente da agenda de saúde pública. Por exemplo, é difícil regular a publicidade de produtos não saudáveis, pois a publicidade se tornou mais direcionada e pessoal e, consequentemente, mais difícil de monitorar.'. (1)

Apesar disso, 'o aumento do consumo de alimentos não saudáveis ​​em crianças pode ser observado imediatamente após a exposição a propagandas de alimentos não saudáveis. Esse efeito é ainda mais forte para crianças que já convivem com sobrepeso ou obesidade'.

5.2) Target crianças e jovens

O advergame é uma das técnicas de especialistas em Marketing online mais abrangente. É tudo sobre jogos online desenvolvido para que as crianças divulguem certas marcas de produtos em um ambiente de entretenimento positivo. 'Evidências mostram que esses jogos têm um efeito significativo no consumo de alimentos não saudáveis'.

'O uso de algoritmos complexos e novas estratégias, como marketing de influenciadores de mídia social'então permite um Comida grande refinar o bombardeio publicitário, influenciar as escolhas de consumo dos mais pequenos da forma mais eficaz possível. E a neuromarketing ter feitomarketing online muito poderoso e influente, especialmente para crianças e jovens'.

5.3) Redes sociaismarketing influenciador

Redes sociais e influente - no Facebook, Instagram, Snapchat, YouTube, TikTok - estimular crianças e jovens a interagir com conteúdos compartilhados por celebridades online. Com a ilusão de que eles compartilham sua vida como verdadeiros amigos fariam, exceto ao invés de promover junk food, muitas vezes de maneira oculta, como temos relatado em vão na Itália à Autoridade de Concorrência e Mercado (o chamado Antitruste). (5)

Estudos científicos lembrado por OMS Europa mostraram como o especialistas em Marketing alimentar junk food através do influente em meios de comunicação social têm um efeito imediato no comportamento alimentar das crianças. E, a propósito, mesmo quando as crianças veem e entendem que o conteúdo inclui anúncios, elas ainda tendem a confiar neles. influente favoritos numa relação de dependência psicológica desenhada à mesa.

5.4) Entrega de alimentos, os aplicativos para investigar

As correlações entre o uso do aplicativo entrega de alimentos (aplicativos de entrega de refeições) e a obesidade merecem mais estudos. De fato, evidências científicas mostram que:

- os alimentos preparados fora de casa são geralmente mais ricos em gordura, açúcar, sal,

- as porções costumam ser maiores. Isso estimula o consumo de alimentos em excesso, principalmente quando há pouca diferença de preço entre as maxi-porções e as menores, como é costume em fast-food,

- o jantar fora de casa e o take-away acrescentam assim 200 kcal, em média, à alimentação diária.

Il entrega de alimentos também pode estimular atitudes sedentárias, principalmente quando acompanhadas de comportamentos como binge-watching na Netflix ou em outros serviços de de streaming.

5.5) Não os meios, mas os fins

'Tecnologias digitais não são necessariamente uma ameaça à saúde pública; em vez disso, o problema é como a tecnologia é usada - o que é anunciado e como o conteúdo do anúncio é entendido, e o que está disponível nas plataformas digitais que podem contribuir para a obesogenicidade dos ambientes de alimentos digitais'.

6) Soluções a serem adotadas

Estados Membros da OMS na macrorregião europeia deve combater a epidemia em curso e eliminar as causas deste ambiente obesogénico, com uma série de intervenções que incluem:

- restrições drásticas especialistas em Marketing obesogênico, na esteira do que foi alcançado no Reino Unido graças à Conta de Saúde e Cuidados, (6)

- introdução da obrigatoriedade de rotulagem nutricional sintética (FOPNL, ex. NutriScore) na frente da embalagem (7,8),

- medidas fiscais específicas (por exemplo, taxas de IVA mais elevadas e imposto sobre o açúcar), para desencorajar a produção e venda de comida sem qualidade, (9)

- incentivos fiscais e subsídios para aquisição de alimentos saudáveis, naturais e balanceados por famílias de baixa renda,

- promoção de refeições saudáveis ​​e equilibradas já a partir das escolas e instituições públicas, (10)

- intervenções concretas destinadas a promover a acessibilidade às instalações desportivas em grupos de baixa renda da população.

#PessoasOverProfit! # ODS3, garantir boa saúde e bem-estar.

Sabrina Bergamini e Dario Dongo

Imagem da capa de Gourmand

Note

(1) Relatório Regional Europeu da OMS sobre Obesidade 2022. Copenhague: Escritório Regional da OMS para a Europa; 2022. Licença: CC BY-NC-SA 3.0 IGO. ISBN: 978-92-890-5773-8. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/353747/9789289057738-eng.pdf

(2) Dário Dongo. Clima, marketing predatório e saúde infantil. relatório da Unicef. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 21.2.20/XNUMX/XNUMX,

(3) Marta Cantado. Sindemia Global, a mistura mortal de desnutrição e crise ecológica. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 7.6.19/XNUMX/XNUMX,

(4) Marta Cantado. Nutrição e saúde, eis como o Big Food está no caminho da OMS. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 3.9.20/XNUMX/XNUMX,

(5) Dário Dongo. Marketing de influenciadores, nosso relatório ao Antitruste. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 25.7.20/XNUMX/XNUMX,

(6) Dário Dongo. Inglaterra, pare de anunciar junk food graças ao Health and Care Bill. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 2.5.22/XNUMX/XNUMX,

(7) Dário Dongo. Codex Alimentarius, o NutriScore e as diretrizes da OMS. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 29.9.21/XNUMX/XNUMX,

(8) OMS (Genebra). Rotulagem nutricional: resumo de política. ISBN: 978-92-4-005132-4 7.6.21, https://www.who.int/publications/i/item/9789240051324

(9) Dario Dongo e Sabrina Bergamini. Bebidas açucaradas e adoçadas, lanches doces. Estudos sobre mortalidade prematura e imposto sobre o açúcar. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 10.9.19/XNUMX/XNUMX,

(10) Dário Dongo. Saúde na escola, belas palavras em acordo entre Estado e Regiões. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 10.3.19.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »