HomesegurançaÁguas residuais na agricultura, saúde pública e segurança alimentar. regras da UE...

Águas residuais na agricultura, saúde pública e segurança alimentar. Regras da UE e o desastre italiano

A salvaguarda da saúde pública e da segurança alimentar depende sobretudo da segurança das águas agrícolas, quando são provenientes de descargas de águas residuais e se destinam à produção de géneros alimentícios e alimentos para animais.

No entanto, as regras da UE que definem os requisitos de segurança das águas residuais usadas para irrigação na agricultura foram ignoradas por mais de 30 anos na Itália por instituições centrais e regionais. Com danos imensuráveis ​​ainda em curso.

1) Águas residuais e águas agrícolas

1.1) Reutilização de águas residuais para uso de irrigação

As águas residuais - ou seja, a água utilizada nas actividades humanas, domésticas, industriais ou agrícolas - pode ser reutilizada, após intervenções de depuração. (1) As várias hipóteses de reutilização incluem a irrigação de culturas destinadas a:

- produção de alimentos (por exemplo, frutas e legumes, cereais e sementes oleaginosas, leguminosas),

- materiais de alimentação,

- produtos agrícolas não alimentares,

- irrigação de áreas verdes, atividades recreativas ou esportivas (ver parágrafo 3 abaixo).

1.2) Segurança da água de irrigação destinada à produção de alimentos

O Ministério do Meio Ambiente (atualmente Ministério da Transição Ecológica, MiTE), até 10 de maio de 2014, deve ter definido os parâmetros físico-químicos e microbiológicos para garantir a segurança da água destinada à irrigação de culturas alimentares e os respectivos métodos de verificação (Código do Ambiente, art. 166 parágrafo 4-bis. Ver nota 2)

Um 8 anos desde o termo do prazo indicado, no entanto, o ministério delegado pelo legislador italiano para definir os parâmetros acima mencionados não cumpriu suas obrigações. De qualquer forma, isso não exclui a responsabilidade de todos os sujeitos públicos e privados envolvidos na garantia da segurança alimentar.

1.3) Responsabilidades gerais

Responsabilidades gerais garantir a segurança das águas residuais destinadas à reutilização para irrigação de culturas agrícolas cai em qualquer caso - de acordo com o princípio da responsabilidade integrada na segurança alimentar, introduzido pela Lei Geral de Alimentos (EC reg. 178/02, artigo 17) - em:

- gestores de estações de tratamento de águas residuais urbanas,

- consórcios de recuperação e irrigação,

- autoridades responsáveis ​​pelo controle das águas agrícolas (ARPA e ASL, principalmente),

- agricultores, empresas de processamento e distribuição de alimentos,

- Estado italiano, regiões e províncias autônomas de Trento e Bolzano. (3)

2) Código Ambiental. Regulamento geral de proteção da água

O Código Ambiental - na Secção II, dedicada à protecção das águas contra a poluição - define as regras gerais para a protecção das águas superficiais, marinhas e subterrâneas.

2.1) Objetivos de proteção

Os objetivos de proteção segurança e qualidade da água definidas pelo Código Ambiental são:

a) prevenir e reduzir a poluição e implementar a remediação de corpos d'água poluídos,

b) Alcançar a melhoria do estado das águas e a proteção adequada das destinadas a usos particulares,

c) buscar usos sustentáveis ​​e duráveis ​​dos recursos hídricos, com prioridade para a água potável,

d) manter a capacidade natural de autodepuração dos corpos d'água, bem como a capacidade de sustentar grandes e bem diversificadas comunidades animais e vegetais,

e) mitigar os efeitos das cheias e secas,

f) prevenir uma maior deterioração, proteger e melhorar o estado dos ecossistemas aquáticos, ecossistemas terrestres e zonas húmidas que dependem directamente dos ecossistemas aquáticos em termos de necessidades hídricas.

2.2) Ferramentas de proteção

Os instrumentos identificados para a consecução dos objetivos acima mencionados são:

- a identificação dos objetivos de qualidade ambiental e por destinação específica dos corpos d'água,

- a proteção integrada de aspectos qualitativos e quantitativos em cada região hidrográfica e um sistema adequado de controles e sanções,

- cumprimento dos valores-limite para descargas fixados pelo Estado, bem como a definição de valores-limite em relação aos objetivos de qualidade do organismo receptor,

- a adaptação dos sistemas de esgotos, recolha e depuração das descargas de água, no âmbito do serviço integrado de águas,

- a identificação de medidas para a prevenção e redução da poluição em áreas vulneráveis ​​e sensíveis,

- a identificação de medidas destinadas à conservação, economia, reutilização e reciclagem dos recursos hídricos,

- a adoção de medidas para a redução gradual de descargas, emissões e qualquer outra fonte de poluição difusa contendo substâncias perigosas ou para sua eliminação gradual,

- a adopção de medidas destinadas a controlar as descargas e emissões nas águas superficiais de acordo com uma abordagem combinada.

2.3) Consórcios de Recuperação de Terras e Irrigação

Os consórcios recuperação e irrigação têm a competência e a responsabilidade de fornecer água para a agricultura, através da criação e gestão de:

- redes de água principalmente para fins de irrigação,

- plantas para o uso de águas residuais na agricultura,

- aquedutos rurais e outros sistemas funcionais para sistemas de irrigação e recuperação,

- água fluindo em canais e cabos de consórcio para usos que envolvam o retorno de água.

3) Águas agrícolas, disciplina específica

Águas irrigadas estão sujeitos a uma disciplina específica que está enraizada na legislação europeia, existente e em andamento:

- normas técnicas para a reutilização de águas residuais referidas no regulamento no min. Meio Ambiente 12.6.03, n. 185 (em cumprimento do Decreto Legislativo 11.5.99, n. 152 que transpõe as Directivas 91/271/CEE e 91/676/CEE. Veja nota 4),

- Código Ambiental, onde as águas de irrigação estão sujeitas a regulamentos específicos sobre a qualidade da água e descargas (decreto legislativo 3.4.06 n. 152, art. 166.3),

- reg. UE 2020/741. A reforma orgânica e estrutural das regras da UE para zelar pela segurança e qualidade das águas agrícolas, em vigor desde 26.6.23. (5)

3.1) Normas técnicas para a reutilização de águas residuais

O DM 185/03 especifica os parâmetros de qualidade das águas residuais para efeitos da sua reutilização civil ou agrícola. Definir, em tabela específica, seus requisitos físico-químicos e microbiológicos (Portaria Ministerial 185/03, art. 4º).

3.2) Regulamentos técnicos sobre águas residuais urbanas

Os escapamentos provenientes de estações de tratamento de águas residuais urbanas, de acordo com o disposto no Código do Ambiente, devem ainda cumprir:

- aos valores limite definidos pelas Regiões ou, entretanto, às leis regionais em vigor,

- os limites de emissão indicados na tabela específica (Decreto Legislativo 3.4.06 n. 152, Anexo 5, Parte III).

3.3) Regulamentos técnicos sobre águas residuais industriais

Os limites de emissão indicadas a nível nacional e regional devem também ser respeitadas nas descargas de águas residuais industriais em águas superficiais. Com receitas específicas, para descargas que contenham substâncias perigosas.

A falta de vigilância das descargas de águas residuais industriais poluídas por PFAS, pela região do Veneto, foi recentemente objecto de censura pelo relator especial da ONU sobre as implicações para os direitos humanos da gestão e eliminação eco-compatível de substâncias e resíduos perigosos. (6)

4) Sanções na Itália

4.1) Sanções administrativas

alguém na realização de uma descarga, ultrapassar os valores limite de emissão estabelecidos no Código do Ambiente (Decreto Legislativo 3.4.06 n. 152, Anexo 5, Parte III), é punido com uma sanção administrativa de 3.000 a 30.000 euros.

Se não conformidade tratando-se de descargas que desaguam nas áreas de protecção dos recursos hídricos destinados ao consumo humano, ou nas massas de água situadas em áreas protegidas, a sanção administrativa não pode ser inferior a 20.000 euros.

4.2) Sanções criminais e responsabilidade administrativa das entidades

Penalidades criminais são definidos:

- no Código Penal, pelos crimes de envenenamento da água (artigo 439), poluição ambiental (artigo 452-bis), desastre ambiental (artigo 452-c). Crimes também punidos em caso de negligência (artigos 452, 452-Quinquies),

- no Código Ambiental, para a descarga de águas residuais industriais que ultrapassem os valores-limite relativos a substâncias perigosas e outras condutas. As contravenções, por sua vez, punidas com dolo ou negligência (Decreto Legislativo 3.4.06 n. 152, art. 137).

As ofensas supracitados também implicam a responsabilidade administrativa das entidades em cujo interesse se comprometeram, nos termos do Decreto Legislativo 231/01, art. 25-cuecas. (7)

5) Águas residuais, o desastre italiano

A República Italiana recolheu três condenações do Tribunal de Justiça da UE (Tribunal de Justiça Europeu, TJ) - e quatro processos de infracção europeus, aos quais se seguiram sanções na ordem das centenas de milhões de euros - por graves falhas na aplicação da Directiva 91/271/CEE, relativa ao tratamento de águas residuais:

Em 31.5.18 o Tribunal de Justiça A UE condenou recentemente a Itália a uma multa de 25 milhões de euros, além de uma multa de 30,1 milhões de euros por cada atraso de seis meses no cumprimento. Por ainda não ter procedido, nos dez anos desde a primeira sentença, a organizar os sistemas de recolha e tratamento de águas residuais urbanas num número significativo de aglomerações (8,9,10,11).

Até?

Dario Dongo e Giulia Torre

 Note

(1) Directiva 91/271/CEE do Conselho de 21 de Maio de 1991 sobre relativas ao tratamento de águas residuais urbanas. Texto atualizado em 1.1.14 no Europa Lex, https://bit.ly/3IJPmYk

(2) Decreto Legislativo 3.4.06 não. 152 e alterações posteriores, o chamado Código Ambiental. Texto atualizado para 17.1.22 na Normattiva, https://bit.ly/3LumZ2c

(3) Ver parágrafo 2 (Legislação concorrente) no artigo anterior Desenvolvimento sustentável na Constituição e os vícios da democracia italiana. #Pás limpas

(4) Ministério do Meio Ambiente e Proteção Territorial (atual MiTE). Decreto 12.6.03, n. 185. Regulamento que contém normas técnicas para a reutilização de águas residuais em execução do artigo 26.º, n.º 2, do Decreto Legislativo 11.5.99, n. 152. Na Normativa, https://bit.ly/3tvbgIn

(5) Dario Dongo, Ylenia Patti Giammello. Águas agrícolas e segurança alimentar, reg. UE 2020/741. O ABC. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 26.9.21/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/progresso/acque-agricole-e-sicurezza-alimentare-reg-ue-2020-741-l-abc

(6) Dário Dongo. Direitos humanos e pesticidas, PFAS, resíduos perigosos. Auditoria do ACNUDH na Itália. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 1.1.22/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/idee/diritti-umani-e-pesticidi-pfas-rifiuti-pericolosi-audit-ohchr-in-italia

(7) Ver Cassação Criminal, Seção III. Acórdão 27.1.20, n. 3157 (após audiência 4.10.19)

(8) Tribunal de Justiça da UE, acórdão 31.5.18. Comissão Europeia v. república italiana. Processo C-251/17. https://bit.ly/3hEhG2r

(9) TJCE, acórdão 6.10.21. Comissão Europeia v. república italiana. Processo C-668/19. https://bit.ly/3HE8WEd

(10) Meio Ambiente e Gestão da Terra. Gestão e proteção da água. Câmara dos Deputados. Estudos - Meio Ambiente. 7.1.22, https://temi.camera.it/leg18/temi/tl18_gestione_e_tutela_acque.html

(11) Comissário Único para Purificação. Procedimentos de infraçãohttps://commissariounicodepurazione.it/procedure-infrazioni/

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »