HomeSaúdeBoletins da OMS sobre políticas nacionais para reduzir o consumo de...

Boletins da OMS sobre políticas nacionais para reduzir o consumo de sal

OMS Organização Mundial da Saúdeelabora um ranking global sobre as políticas nacionais de 177 estados (incluindo a Itália) para reduzir o consumo de sal. (1) Com mais um apelo, aos governos do planeta, para que adotem medidas indispensáveis ​​de saúde pública.

O excesso de sal – ainda onipresente – é a principal causa de doenças graves e crônicas (DCNTs, Doenças não comunicáveis) e mortalidade prematura. E a meta global de reduzir o consumo de sal em 30% até 2025 parece utópica. De fato, uma derrota.

OMS, consumo de sal acima do dobro do limite

A recomendação A limitação do consumo de sal a 5 gramas por dia pela OMS é desconhecida de grande parte da população mundial e de suas instituições de saúde. Aliás, estima-se que o consumo médio seja de 10,8 gramas, mais que o dobro do limite.

L'abitudine o consumo de alimentos muito salgados também é estimulado pela indústria alimentícia, que ainda se dá ao luxo de oferecer produtos com baixo perfil nutricional, como confirma a recente análise da WASHH. (2)

os danos ligados ao excesso de sal também ocorrem a longo prazo, quando a intervenção dietética não é suficiente para remediar patologias incapacitantes como doenças cardiovasculares e renais, acidente vascular cerebral, diabetes, osteoporose. (3)

Governos distraídos

A evidência científica parecem desconhecidos de grande parte dos gestores da saúde pública. Na verdade, apenas 5% dos estados membros da OMS têm políticas de redução de sódio obrigatórias e abrangentes. 73% carecem de uma gama completa de implementação de tais políticas. No meio quem flutua.

A implementação de políticas a redução de sal (e sódio) poderia salvar cerca de 7 milhões de vidas globalmente até 2030, lembra a OMS. Além de mitigar os custos relacionados com saúde e segurança social: internamentos, tratamentos e medicamentos, afastamentos do trabalho.

Il Objetivo de Desenvolvimento Sustentável nº 3 Boa saúde e bem-estar – também deve ser declinado na redução das mortes por doenças não transmissíveis. (4)

Apenas 9 países alinhados

Pela primeira vez, a recomendação de actuação é acompanhada de um ranking que dá conta detalhadamente dos esforços desenvolvidos pelos 177 Estados-Membros, enumerando e documentando as (possíveis) medidas adoptadas.

De acordo com o relatórioHoje, apenas nove países – Brasil, Chile, República Tcheca, Lituânia, Malásia, México, Arábia Saudita, Espanha e Uruguai – possuem um pacote abrangente de políticas em vigor para reduzir a ingestão de sal/sódio.

4 níveis de comprometimento com a meta

A classificação da OMS é dividido em quatro níveis. Vão desde planos de acção do tipo 'progresso publicitário' a medidas voluntárias, até à implementação de medidas concretas, que preveem vários instrumentos obrigatórios para conseguir uma redução efectiva do consumo de sal na população, desde campanhas de comunicação a Rotulagem Nutricional na Frente da Embalagem (FOPNL), como o tão esperado NutriScore na Europa. (5)

 

Sem surpresa para a Itália que se situa a meio caminho, juntamente com a maioria, entre os 65 Estados onde existem medidas voluntárias de pouca eficácia para os operadores agro-alimentares ou 'incentivos' à população para reduzir o consumo de sal. As iniciativas que param o Bel Paese no meio do caminho são bastante datadas.

sal e bandolim

O local web do Ministério da Saúde hoje ainda está amarrado em questões de Covid-19. As campanhas relacionadas com o convite à vacinação terminam em dezembro de 2022, numa área um tanto negligenciada.

As referências o consumo excessivo de sal aparece (após cuidadosa pesquisa) com referência a alguns acordos voluntários com a associação de padeiros e da indústria alimentar, primeiro AIIPA hoje Unione Italiana Food.

 

A página do site institucional sobre o assunto também está parado há um ano e o acordo entre a Unione Italiana Food e o Ministério da Saúde teria, de qualquer forma, rendido uma quantidade média de sal, para a categoria de biscoitos, igual a 1,99 gramas de sal por 100 gramas de biscoitos.

Uma dúzia di biscoitos portanto, vale a metade do limite máximo diário de sal indicado pela OMS. Negócio bem sucedido?

 

O virtuoso se torna

O recall da OMS para os Estados Membros poderia despertar a responsabilidade dos administradores de saúde pública. Portanto, pode ser útil relembrar as quatro intervenções 'melhor compra' relacionado ao sal/sódio que segundo a Organização Mundial de Saúde pode contribuir para a prevenção de doenças não transmissíveis:

  1. reformular alimentos para conter menos sal e estabelecer metas para a quantidade de sódio em alimentos e refeições,
  2. fornecer limites de sal/sódio em concursos para fornecimento de refeições em hospitais, escolas, locais de trabalho e lares de idosos,
  3. adotar marcação na frente da embalagem - rotulagem nutricional frontal na embalagem, FoPNL (NutriScore) – para ajudar os consumidores a selecionar produtos com baixo teor de sódio,
  4. implemento (ou lançar) campanhas de comunicação sobre o tema.

Marta Chamuscado

Note

(1) QUEM relatório global sobre a redução da ingestão de sódio. Organização Mundial de Saúde. 9.3.23 https://www.who.int/publications/i/item/9789240069985

(2) Marta Cantado. Comida grande, o negócio Tendência insustentável de alimentação desequilibrada alerta investidores. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 9.3.23

(3) Marta Cantado. Excesso de sal na dieta causa ataque cardíaco e câncer. Veja como ficar seguro. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 22.3.17

(4) Dario Dongo, Giulia Caddeo. Metas de desenvolvimento sustentável, ODS. O desafio da humanidade. igualdade. 3.9.19

(5) Marta Cantado. A saúde pública da UE, EUPHA, indica o NutriScore como a melhor opção de FoPNL. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 20.3.23

Marta Chamuscado

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes