InícioSaúdeImposto sobre o açúcar. 5.000 casos a menos de obesidade entre meninas britânicas

Imposto sobre o açúcar. 5.000 casos a menos de obesidade entre meninas britânicas

O imposto sobre bebidas açucaradas (imposto sobre o açúcar) reduz a obesidade entre as meninas britânicas. É o que revela o estudo realizado por um Profissionais de pesquisadores liderados pela Universidade de Cambridge. (1)

La imposto sobre o açúcar anti obesidade

em 2020, na Inglaterra, a obesidade juvenil afetou 10% das crianças de 4 a 5 anos e 20% das de 10 a 11 anos.

Os dados infelizmente diz respeito a toda a população europeia. Dos 5 aos 9 anos, quase uma em cada três crianças (29,5%) está com sobrepeso e/ou obesidade, uma em cada oito (11,6%) já sofre de obesidade mórbida, conforme relatado pela OMS Europa 2022. (2)

Na itália, as estatísticas do Istat são semelhantes. Já nos alunos das primeiras séries do ensino fundamental (7 a 8 anos) há uma incidência de obesidade de 18%, enquanto mais de um em cada quatro (25,2%) de 3 a 17 anos está com sobrepeso. (3) A obesidade, cabe lembrar, é a antecâmara de várias patologias não transmissíveis, DCNT, como diabetes e hipertensão.

Para fazer a diferença são políticas de saúde. Enquanto a Itália continua a adiar a adoção do imposto sobre o açúcar (la lei orçamentária 2023 adia sua adoção para 2024), o Reino Unido introduziu um imposto sobre o açúcar em abril de 2018 destinado a incentivar os produtores a reformular os refrigerantes com alto teor de açúcar.

Os produtores e importadores para o Reino Unido estão sujeitos a um imposto de dois níveis:

– 0,24 libras/litro (0,27 euros/l) em refrigerantes que contenham pelo menos 8 g de açúcar por 100 ml,

– 0,18 libras/litro (0,20 euros/l) em refrigerantes que contenham 5 a 8 g de açúcar por 100 ml.

Do mecanismo leite, bebidas à base de leite, sumos de fruta 100% e pós para preparação de bebidas estão isentos.

Incentivou a reformulação de receitas

Os autores da pesquisa em consideração relatam que o imposto sobre o açúcar levou a uma grande reformulação dos refrigerantes disponíveis no mercado do Reino Unido.

A porcentagem de bebidas contendo >5g de açúcar/100ml caiu de 49% para apenas 15% entre setembro de 2015 e fevereiro de 2019, com reformulação acelerada após o anúncio em 2016 da decisão de introduzir imposto sobre o açúcar.

O inevitável aumento do preço de bebidas reformuladas passou apenas parcialmente para os consumidores. Para bebidas com 5 a 8 g de açúcar por 100 mL, foi repassado aproximadamente um terço da taxa.

Apenas a previsão de atribuir a maior parcela da carga tributária à indústria tem favorecido a reformulação, observam os pesquisadores, que citam a menor efetividade do imposto sobre o açúcar no México, totalmente a cargo dos consumidores, com um aumento médio de preços de 14%.

Menos de 5 mil casos de obesidade entre meninas

Para avaliar os efeitos de imposto sobre o açúcar sobre a obesidade juvenil, nos 19 meses seguintes à introdução da medida fiscal, os investigadores monitorizaram os níveis de obesidade em mais de um milhão de crianças do ensino primário, divididas em dois grupos (4-5 anos e 10-11 anos).

O resultado é que a incidência de casos de obesidade diminuiu 8% em mulheres de 10 a 11 anos. Um sinal equivalente à prevenção de 5.234 casos de obesidade por ano.

o melhor resultado surgiram entre estudantes do sexo feminino em escolas de áreas mais desfavorecidas, confirmando a evidência de que as condições socioeconômicas influenciam fortemente a qualidade da dieta.

Nessun Cambiamento na percentagem de jovens obesos destacou-se pelo contrário para o sexo masculino da mesma idade (10-11 anos) e nos mais jovens (4-5 anos) de qualquer género.

Os danos de especialistas em Marketing

A impressão diferente de imposto sobre o açúcar sobre a obesidade de homens jovens e crianças é associada por pesquisadores com algumas hipóteses:

- O menor (4-5 anos) consomem principalmente sucos de frutas, excluídos da aplicação de imposto sobre o açúcar embora contenham quantidades semelhantes de açúcar como bebidas açucaradas. O mesmo se passa com os doces, biscoitos, sobremesas e bolos, muito apreciados pelos mais pequenos mas isentos do imposto sobre o açúcar,

- machos As crianças de 10 a 11 anos assistem mais TV do que as mulheres contemporâneas. Eles são, portanto, mais condicionados pelo especialistas em Marketing de bebidas açucaradas e junk food com alta densidade energética e baixo teor de nutrientes, sempre anunciadas como úteis para aumentar o desempenho físico, conforme também denuncia a OMS. (4) O mesmo virtuoso Conta de Saúde e Cuidados, além disso, não aperta o suficiente os pontos do cheque no especialistas em Marketing di comida sem qualidade destinado a menores, como vimos.

- as meninas Além disso, as crianças de 10 a 11 anos são geralmente mais propensas a fazer escolhas alimentares mais saudáveis ​​(consumindo mais frutas e vegetais e menos alimentos ricos em energia) e adotando comportamentos saudáveis ​​(como escovar os dentes).

'Isso destaca que, além do SDIL (taxa do açúcar, ed), eles devem ser implementados outras estratégias de redução da obesidade baseado em evidências para melhorar os resultados de peso, especialmente em meninos e crianças mais novas, quando entram na educação primária', concluem os pesquisadores.

Marta Chamuscado

Note

(1) Rogers NT, Cummins S, Forde H, Jones CP, Mytton O, Rutter H, Sharp SJ, Theis D, White M, Adams J. imposição: Uma análise de série temporal interrompida de dados de vigilância. PLoS Med. 2023 Jan 26;20(1):e1004160. doi:10.1371/journal.pmed.1004160. PMID: 36701272; ID PMC: PMC9879401.

(2) Sabrina Bergamini, Dario Dongo. Obesidade, obesidade infantil e marketing. Relatório da OMS Europa 2022. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 16.6.22

(3) Dario Dongo, Sabrina Bergamini. Obesidade infantil, 1 menor em 4 em risco na Itália. Relatório Istat. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 29.19.19

(4) Sabrina Bergamini. O marketing de alimentos promove dietas não saudáveis ​​para crianças e adolescentes. relatório da OMS. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 28.2.22

Marta Chamuscado
+ postagens

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »