HomemercadosPAC, o Parlamento Europeu pede mais recursos do setor agroalimentar para lidar com ...

PAC, Parlamento Europeu pede mais recursos do setor agroalimentar para fazer face à Covid-19

Em 28.4.20 a Comissão de Agricultura (COMAGRI) do Parlamento Europeu pede à Comissão Europeia que conceda mais recursos e flexibilidade ao setor agroalimentar, na transição da Política Agrícola Comum (PAC) postar-2020. É preciso aproveitar a liquidez já reservada na reserva de crise, troveja o vice-presidente da COMAGRI, Paolo De Castro. A Europa está talvez numa encruzilhada?

CAP, transição pós-2020

Il Regulamento Transitório proposta pela Comissão Europeia prevê a prorrogação automática por um ano dos pagamentos já estabelecidos na PAC 2014-2020. A COMAGRI, a Comissão de Agricultura do Parlamento Europeu, por outro lado, clama em voz alta - em sua primeira reunião por videoconferência em 28.4.20 - que os pagamentos aos agricultores sejam garantidos automaticamente por mais um ano, até 1.1.23. Sem vincular a continuidade dos subsídios agrícolas à improvável realização, nos prazos curtos, de um acordo sobre o orçamento da UE a longo prazo (Quadro Financeiro Plurianual, QFP) e em reforma da PAC.

'Os agricultores precisam de previsibilidade, estabilidade e continuidade financeira e um horizonte claro para os próximos dois anos”. (Elsi Katainen, relatora do dossiê Regulamento Transitório em COMAGRI, Parlamento Europeu, 28.4.20)

Voto da COMAGRI, após confirmação em plenário (13-14.5.20), confere um mandato para negociar os novos termos da transição, tendo em vista um acordo definitivo com os Estados-Membros (Conselho) e a Comissão Europeia. Possivelmente até 30.6.20, quando a Croácia passar a presidência do Conselho à Alemanha. Afinal, a Comissão Europeia, segundo rumores internos, já previu a prorrogação de 2 anos para a política de coesão 2014-2020, precisamente à luz da emergência sanitária ligada à Covid-19.

Subsídios agrícolas, novos recursos em vez de cortes inaceitáveis

O mandato de negociação proposto pelo COMAGRI reafirma a necessidade de evitar novos cortes na Política Agrícola Comum no próximo orçamento de longo prazo (QFP 2021-2027). O financiamento da política agrícola deve ser mantido ao mesmo nível que o preparado para o período 2014-2020. Confirmar, nos anos 2021-2022, os fundos estabelecidos no orçamento UE 2020 para pagamentos diretos, desenvolvimento rural e planos de apoio.

'Não podemos fazer mais com menos recursos. Os Estados-Membros devem preparar-se rapidamente para a nova PAC e com recursos adequados durante este período de transição.' (Elsi Katainen, eurodeputada)

Novos fundos eles também devem ser alocados para a reserva de crise. As crises agrícolas devem ser financiadas fora do orçamento da PAC já em 2021, usando compensações. Remediar imediatamente as graves reduções de renda e perdas causadas por eventos climáticos adversos, surtos de doenças de animais ou plantas ou infestações de pragas.

Amendoim não é suficiente para 10,5 milhões de agricultores

Em 30.4.20 Paulo De Castro - ex-ministro da Agricultura na Itália que agora coordena o grupo S&D (Socialistas e Democratas) no COMAGRI, do qual é agora vice-presidente (presidente na legislatura passada) - ataca frontalmente o Comissário Januzs Wojciechowski. Os 77 milhões de euros de 'medidas excepcionais'anunciado em 22.4.20, como visto, são amendoins para os 10,5 milhões de agricultores da União Europeia.

'O Comissário evita pedidos de ajuda provenientes de todo o sector agrícola da Europa. Sabemos que o orçamento da PAC está a esgotar-se, mas temos os 478 milhões de euros que os agricultores renunciaram precisamente para criar uma reserva de crise. E Wojciechowski, que hoje se diz a favor de sua ativação, foge de suas responsabilidades e tenta jogar a bola na quadra dos Estados-Membros.

O pacote de medidas anti-crise proposta pelo senhor comissário ignora a séria dificuldade das cadeias de abastecimento como as de vitela e de porco. E a falta de liquidez para setores de joelhos como o horticultura. Além disso, falta a necessária flexibilidade na utilização dos fundos dos programas operacionais de frutas e produtos hortícolas, com a impossibilidade de aumentar as taxas de financiamento da UE para os planos de apoio. Para não falar da ausência de fundos europeus para o vinho, e da possibilidade de injeções de recursos nacionais que conduzem a riscos evidentes de distorção da concorrência, e das medidas demasiado tímidas que não incluem, por exemplo, a possibilidade de lotes de vinhos de diferentes colheitas . e a colheita verde parcial».

Europa numa encruzilhada?

L'Europa quase se diria numa encruzilhada, notando a vivacidade das palavras de um de seus apoiadores históricos como Paolo De Castro. 'Os agricultores europeus merecem mais coragem de quem administra a PAC, não uma esmola de 7 euros. Continuaremos ao lado dos produtores, prontos para a batalha e - se necessário - não excluindo a falta de nosso apoio a essas medidas'.

Ingratidão expressa até agora pela Alemanha, alheia à anulação de dívidas colossais (em 1953 e 1990. V. 2,3) - e pela Holanda, o 'rigoroso' paraíso fiscal do Velho Continente que roubou enormes recursos aos Estados-Membros agora mais necessitados de liquidez - parece, inter alia, destinado a resultar em medidas sujeitas à condicionalidade do pleito helénico (4,5). Qualquer coisa que você não precise.

'No entanto, você olha para eles, os medicamentos indicados para lidar com a emergência e a longa crise produtiva e social que se seguirá, prolongarão os tempos de sobrevivência do paciente, mas não atacarão a doença'. (Vladimiro Giaché, economista)

A Itália deve se libertar do aperto de ou. Superar os dogmas fracassados ​​dos mesmos economistas que arrastaram os povos europeus para o abismo, ativando um plano de resgate nacional (6,7). Se não agora, quando?

Dário Dongo

Note

(1) Transição para a nova política agrícola da UE: os eurodeputados aprovam as principais disposições para depois de 2020. Notícias do Parlamento Europeu. 28.4.20, https://www.europarl.europa.eu/news/en/press-room/20200427IPR77909/transition-to-new-eu-farm-policy-meps-approve-key-provisions-for-after-2020

(2) Gregori Galofré-Vila, Christopher M Meissner, Martin McKee, David Stuckler. As consequências econômicas do Acordo da Dívida de Londres de 1953. Revisão Europeia da História Econômica, Volume 23, Edição 1, fevereiro de 2019, Páginas 1–29, https://doi.org/10.1093/ereh/hey010

(3) Óscar Ugarteche Galarza. A Redução da Dívida Alemanha Recebeu em 1952 (e 1990). Comitê para a Abolição da Dívida Ilegítima. 5.3.15, https://www.cadtm.org/The-Debt-Reduction-Germany

(4) Giuseppe Masala, Dario Dongo. MES emergência e fundo devorador de estado. Igualdade. 16.3.20, https://www.egalite.org/emergenza-mes-e-fondo-divora-stati/

(5) Marco Bersani. EUROGRUPPO: a refeição não é gratuita. Aqui está o que sabemos hoje. O poster. 11.4.20, http://italia.cadtm.org/eurogruppo-il-pasto-non-e-gratis-ecco-cosa-sappiamo-a-oggi/

(6) Giuseppe Masala, Dario Dongo. O cisne cinzento, a economia por vir e as redes paralelas de internet. Igualdade. 14.4.20, https://www.egalite.org/il-cigno-grigio-leconomia-che-verra-e-le-reti-internet-parallele/

(7) Plano Nacional de Salvação. Projeto de lei e medidas a serem tomadas, https://pianodisalvezzanazionale.it

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes