HomeInovaçãoPesquisa e desenvolvimento, crédito fiscal de 50%

Pesquisa e desenvolvimento, crédito fiscal de 50%

O Plano Nacional da Indústria 4.0 prevê um crédito tributário adicional, de até 50% dos investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação realizados entre 2015 e 2020. Como é fácil se perder no labirinto de regras que se sucederam nos últimos 6 anos, propomos um breve resumo do chamado bônus de P&D.

Um crédito fiscal - de 25% ou 50%, dependendo do tipo de gasto - é concedido a todas as empresas, de todos os setores e portes, que investem ou tenham investido em P&D. Independentemente da forma jurídica da empresa e do regime contabilístico escolhido.

Bônus de P&D, gênese e desenvolvimentos

Os incentivos à inovação foram introduzidas em 2013. (1) Nos anos seguintes, no entanto, ocorreram inúmeras mudanças, em:

  • Lei de Estabilidade 2015, (2)
  • lei orçamentária de 2017, (3)
  • 'decreto de dignidade', (4)
  • Lei Orçamentária 2019. (5)

O CD 'decreto de crescimento, confirmaram substancialmente estas previsões, introduzindo também incentivos ao apoio a projetos de I&D a favor de empresas que pretendam adotar modelos de reconversão produtiva, com vista à economia circular. (6)

A lista completa das concessões podem ser consultadas no site do MISE (Ministério do Desenvolvimento Econômico), na página dedicada a isso.

Bônus de P&D, condições de aplicabilidade

Todas as empresas - independentemente da forma jurídica, do sector económico em que actuam bem como do regime contabilístico adoptado - são elegíveis para os benefícios fiscais previstos no bónus de I&D. Isso também se aplica a empresas sediadas no exterior que tenham um estabelecimento permanente na Itália ou que realizem pesquisa e desenvolvimento por encomenda de terceiros.

O crédito tributário aplica-se a despesas incrementais para investimentos em atividades de pesquisa e desenvolvimento realizadas e/ou a serem realizadas entre 1.1.15 e 3.12.20. O benefício é aplicado diretamente ao excesso sujeito a subsídio, até um valor máximo de € 10 milhões para cada beneficiário. (7)

A empresa quem pretende usufruir da desoneração deve elaborar um relatório técnico ilustrando o projeto. Com todas as informações úteis para qualificar as atividades, como são admitidas ao crédito tributário, e descrever seu andamento. (8). As formas de elaboração do relatório e demais obrigações formais estão especificadas na Circular da Receita Federal 10.4.19 n. 8. (9)

Bônus de P&D, taxas de 50 e 25%

A facilidade é diferenciada, a partir de 1.1.19, em relação ao contexto e tipo de despesas efetuadas (10). Aplicando as taxas de 50% ou 25%, alternativamente, conforme o caso:

- P&D realizado diretamente pela empresa (Intramuros). Nesse caso, o maior benefício incide sobre os custos de contratação de pessoal diretamente empregado em pesquisa, com vínculo subordinado (ainda que por prazo determinado). A taxa mais baixa, por outro lado, incide sobre os custos excessivos relativos a pessoal administrativo não diretamente envolvido em I&D, bem como a colaborações baseadas em diferentes relações contratuais (por exemplo, NIF, Co.Co.Co.),

- pesquisa e desenvolvimento encomendado a terceiros (extra-mural). Nesse caso, o crédito fiscal de 50% é aplicado às despesas incorridas em contratos estipulados com universidades, instituições e organizações de pesquisa, start-ups e PMEs inovadoras independentes. Por outro lado, 25% referem-se a acordos celebrados com outras partes.

A compra de materiais, as ferramentas e equipamentos de laboratório - bem como os serviços ligados às competências técnicas e de propriedade industrial - utilizados directamente na actividade de I&D estão também sujeitos às instalações descritas, de acordo com os critérios indicados. Também com referência à realização de protótipos ou plantas piloto para pesquisa industrial e desenvolvimento experimental.

Dario Dongo e Selena Travaglio

Note

(1) VDL 23.12.13, n. 145 (o chamado plano Destino Itália), art. 3. Convertida com modificações na lei 21.2.14, n. 9º, nunca foi aplicado desde que a portaria de implementação do Ministro do Desenvolvimento Econômico só se manifestou em 27.5.15 (na GU 29.7.15, n. 174)

(2) Ver L. 23.12.14, n. 190, artigo 135

(3) Lei 11.12.16 n. 232, art. 1, parágrafo 15-16

(4) Decreto Legislativo 12.7.18 nº. 87 (convertido em lei 9.8.18 n. 96), art. 8

(5) Lei 30.12.18/145/1 n. 70, art. 72, parágrafo XNUMX-XNUMX

(6) Decreto Legislativo 30.4.19, n. 34 (convertido em lei 28.6.19, n. 58), art. 26

(7) Lei 145/2018, art. 1, parágrafo 70, letra 'b'

(8) Lei 145/18, art. 1, parágrafo 70, let. 'g'

(9) Ver https://www.mise.gov.it/index.php/it/incentivi/impresa/credito-d-posta-rs

(10) Ver lei nº. 30, art. 2018, parágrafo 145, letra 'a'

(11) Idem cs, letra 'c'

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »