HomeInovaçãoEspecial Agricultura Italiana 4.0. Dia da inovação, o manifesto e o cenário

Especial Agricultura Italiana 4.0. Dia da inovação, o manifesto e o cenário

Agricultura italiana 4.0. Manifesto e cenário são apresentados naDia da Inovação, em 28.5.20/XNUMX/XNUMX, em streaming. Sob a direção de Coldiretti, Filiera Italia e Bonifiche Ferraresi. Alimento útil para o pensamento a seguir.

Compra de alimentos e inovação digital

Il lockdown imposta pelo Covid-19, como visto, colocou as plataformas em crise web do GDO na Itália. Crescimento das vendas online de alimentos atingiu o pico de + 178% nas últimas semanas, embora as medidas de contenção já tenham atingido o estágio 2.

consumidores italianos, supere a deles hesitações históricas em direção'Loja virtual comida, aprenderam a planejar suas compras semanalmente. Sem abrir mão de alimentos frescos e muito frescos, que têm um papel fundamental na dieta mediterrânea. Com a vantagem de economizar tempo e filas, além da comodidade da entrega em domicílio.

O próximo passo será o uso de novos dispositivos - não só isso smartphones, Mas também alto-falantes inteligentes como Página inicial do Google e Assistente GoogleAlexa ed Echo (Amazon), A apple HomePod - conhecer os produtos e encomendar as compras, bem como para domótica e entretenimento. Em um caminho de comunicação interativo, já introduzido há anos pelos gigantes de TI (Tecnologia da Informação), que esperamos que em breve seja enriquecido por aplicativos sob medida, para garantir a compra de produtos 100% Made in Italy da cadeia de suprimentos curta , igual e sustentável.

Agricultura italiana 4.0

Agricultura italiana 4.0 é uma realidade já em construção. As soluções e serviços oferecidos pelaagricultura de precisão registou um crescimento de dois dígitos, com um volume de negócios de 450 milhões de euros (2019, + 22% face a 2018). Os investimentos concentram-se em sistemas de monitoramento e controle da produção (49%), equipamentos e Programas gerenciamento (34%) mapeamento de superfície e tecnologias de coleta de dados (14%) Processamento Coldiretti em dados Smartaagroalimentar).

a tecnologia pode contribuir para reduzir a pegada ecológica da produção, reduzindo entrada eficiência agronômica e de processo. Com otimização do trabalho no campo, aumento de rendimentos e margens, atenuação da fragilidade (graças também à disponibilidade de índices agrometerológicos e à previsão de suas variações). Além de oferecer novas garantias em termos de origem, segurança e qualidade, sustentabilidade.

A adoção da tecnologia 'no campo' pode permitir coletar - e compartilhar em tempo real - todos os dados úteis para qualificar fornecedores nos diversos canais de distribuição. E garantir aos consumidores a capacidade de fazer escolhas efetivamente informadas. Em consonância, entre outras coisas, com a Objectivo de Desenvolvimento Sustentável (SDG) n. 12, na Agenda 2030 da ONU. Produção e consumo sustentáveis, de fato. Sem deixar de lado as oportunidades de transparência na cadeia de valor, por muito tempo invocado apenas em palavras, indispensável para garantir uma remuneração justa da cadeia agrícola primária.

Comunicação interativa da fazenda ao garfo também representa um motor de inovação social em ambos os aspectos:

- Vendas diretas e desintermediado, ou quase. Libertar a cadeia agroalimentar italiana do monopólio global da Amazônia, que drena comissões do mercado em relação às práticas da indústria. Sem contribuir para as receitas fiscais sobre os rendimentos produzidos na Itália (além de um miserável imposto na web, 3%, introduzido apenas a partir de 2020). Para transferir nossas economias para o exterior,

- estimular a evolução do mercado agroalimentar com base nos pedidos dos consumidores (atração da demanda do consumidor), em vez das pressões de distribuição (impulso de fornecimento). De cadeia de suprimentos um cadeia de valor, ou seja, da cadeia de suprimentos para a cadeia de valor. Num caminho de colaboração e crescimento partilhado, capaz de redistribuir valor e riqueza entre quem produz e quem consome.

O Manifesto da Agricultura Italiana 4.0

O poster da Agricultura Italiana 4.0, lançada e promovida pelos participantes no Dia da Inovação 28.5.20, está dividida em 6 pontos principais:

1) acelerar a transição digital. Recompensar a adoção de tecnologias de precisão, na agricultura e pecuária, com projetos adequados para preservar as características únicas do território italiano,

2) dar apoio aos agricultores, para facilitar escolhas agronômicas em tempo real,

3) promover a conscientização e cultura difundida, também entre os consumidores, sobre a origem e as características dos produtos agroalimentares. Ao adotar tecnologias digitais para garantir rastreabilidade, segurança e qualidade,

4) incentivar modelos econômicos inovadores, que proporcionam uma distribuição justa de valor em toda a cadeia de suprimentos,

5) apoiar o desenvolvimento de canais de vendas digitais para cadeias de suprimentos curtas nacionais,

6) desenvolver patentes baseado em tecnologias e padrões Made in Italy, ao serviço da cadeia agroalimentar italiana, para melhorar a sua eficiência e eficácia.

Necessidades do sistema

Vicente Gesmundo, secretário-geral da Coldiretti, destaca a necessidade de democratizar as tecnologias digitais. Um passo indispensável para garantir sua usabilidade efetiva pelos milhões de fazendas que compõem a cadeia produtiva italiana. A chamada 'exponencialidade' de algumas inovações, com efeito disruptivo nos mercados de referência (ex. Amazon, Airbnb, etc..), torna muitas estratégias obsoletas, mesmo na política. O mesmo Comunicação da Comissão Europeia 'Moldar o futuro digital da Europa', de 19.2.20, corre o risco de ser ultrapassado pelos acontecimentos.

Pragmatismo também exige considerar - na opinião do escritor (Dongo) - três necessidades do sistema:

- blockchain público. Somente sistemas autênticos de blockchain público (ex. Corrente Wise), como distribuído e descentralizado, pode e deve garantir a autenticação digital e incorruptível dos dados,

- interoperabilidade. O sistema deve ser acessível e interagir com os diversos sistemas ERP (planejamento de recursos empresariais) utilizado pelos vários operadores. Para possibilitar a participação e colaboração de todos os atores da cadeia de suprimentos, seja qual for o Programas usado (de Ms ou Open Office para SA400, SAP, etc.). Sem obrigar todos os participantes da rede a arcar com os custos de adaptação de seus bancos de dados a um sistema fechado,

- padrão mundial. A GS1, única entidade autorizada a emitir códigos de barras, desenvolveu o Link Digital GS1. Um endereço web construído de acordo com o padrão internacional, inter-operacional com todos os tipos de portador de dados (códigos de barras unidimensionais e bidimensionais, por exemplo, QR Code, etiqueta RFID e outras tecnologias). Digitalize este código com um smartphones, ou outros dispositivos permite que você acesse todas as informações codificadas no padrão global de GS1. De GTIN (Número global do item comercial) inserido no código de barras clássico na ficha do produto no site do fabricante ou no portal comércio eletrônico, etc

Necessidades tecnológicas

Inovação tecnológica em breve fará parte dos acordos da cadeia de abastecimento, numa lógica de integração vertical (da fazenda ao garfo) e horizontal (de cooperação entre as cadeias de abastecimento, também com vista à partilha de tecnologias e recursos). O setor agroalimentar italiano enfrenta hoje duas necessidades tecnológicas urgentes, conforme destacado naDia da Inovação por Antonio Samaritani, CEO da Grupo Ábaco:

- cobertura com banda ultralarga em todas as áreas rurais, um pré-requisito indispensável para aplicações digitais na agricultura em todo o território italiano,

- uma plataforma de Agricultura 4.0, onde coletar e gerenciar dados sobre previsões meteorológicas e temperaturas, fertilidade do solo, estresse hídrico, etc.

O aplicativo Demetra foi criado pela Grupo Ábaco para o Portal do Membro da Coldiretti, a primeira confederação agrícola da Europa em número de membros (1,6 milhões, equivalente a 70% das empresas agrícolas registadas nas Câmaras de Comércio italianas). E poderia formar a base para a digitalização das empresas agrícolas italianas, onde enxertar projetos verticais de cadeia de suprimentos.

cadeia de suprimentos da Itália

A cadeia agroalimentar na Itália - do campo à mesa, passando pela indústria, distribuição e restauração - contribui com 25% do PIB nacional (538 mil milhões de euros) e 3,7 milhões de trabalhadores. A que acresce o volume de negócios de 11,4 mil milhões de euros em máquinas agrícolas (dos quais 70% exportar. dados FederUnaComa 2019) e os € 5,4 bilhões da indústria de máquinas, instalações e equipamentos (66% exportar. dados Assofoodtec 2019).

Luigi Scordamaglia, diretor administrativo da Filiera Italia, intervém naDia da Inovação destacando a necessidade de investir em tecnologia e TI para 'um setor agroalimentar mais saudável e sustentável', de acordo com o Estratégia europeia Farm to Fork (f2f). Preservar a relação com a natureza, também referida no Estratégia de biodiversidade da UE e a qualidade enraizada em tradições e territórios.

Digitalização, embalagens ecossustentáveis, valorização de subprodutos numa lógica de economia circular são áreas de desenvolvimento a considerar. Bem como a pesquisa sobre as propriedades de saúde de ingredientes naturais. Sem rebaixar o papel da agricultura com 'soluções' tecnocráticas nas mãos de poucos, como Carne de laboratório.

Federico Vecchioni, CEO da Bonifiche Ferraresi, por sua vez, insiste na necessidade de aliar tradição e inovação, 'ciente de que o verdadeiro valor está nas mãos dos agricultores e é a origem do produto'. A plataforma Bonifiche Ferraresi representa hoje o exemplo mais importante da introdução da agricultura de precisão, em uma área de mais de 8.500.

Inovação, inicialização Italianos na vitrine

O Dia da Inovação de 28.5.20, na segunda parte, apresenta alguns inicialização empresas inovadoras e empresas ao serviço da agricultura italiana 4.0.

Agrorobótica (Toscana) apresenta mosca espiã, uma 'armadilha robótica' que atrai e captura insetos nocivos por meio de iscas sexuais para feromônios, os reconhece por meio de algoritmos, sinaliza sua concentração nas plantações.

Bluetentáculos (trentino), Hidroavião (Lácio) e Revotree (Lombardia) propõem soluções de irrigação automatizadas e inteligentes, capazes de permitir uma economia de água inimaginável em relação à gestão tradicional.

Cynomys (Liguria) desenvolveu soluções de IoT (Internet das Coisas) para o monitoramento das condições ambientais nos estábulos (por exemplo, temperatura, umidade, dióxido de carbono, metano, amônia, sulfeto de hidrogênio, luz). Empresa BS (Emilia-Romagna) oferece uma variedade de soluções de gestão.

Horta (Emilia-Romagna) é um spin-off da Universidade Católica de Piacenza e Cremona com mais de dez anos de experiência na pesquisa e desenvolvimento de soluções inovadoras para a produção agrícola de hortaliças. Agricultura de precisão e inteligência artificial dedicada a diferentes culturas. Fazenda X (Lombardia, Cantão Ticino) é um inicialização especializada na construção de plataformas de tomada de decisão ad hoc.

Ono agricultura exponencial (Veneto) automatiza as colheitas interior, da semente à colheita. Xpróximo (Lombardia) oferece soluções inovadoras para inspeção on-line de produtos, utilizando raios X, microeletrônica e inteligência artificial.

edoapp (Emilia-Romagna) é um aplicativo voltado para os consumidores. Quem, ao escanear os códigos de barras dos rótulos, pode receber informações sobre a adequação de produtos individuais para compor uma alimentação saudável e equilibrada, levando também em consideração a presença de matérias-primas insustentáveis ​​(por exemplo, óleo de palma) e necessidades individuais (por exemplo, alergias alimentares e intolerâncias).

Dia da Inovação, 28.5.20. Toda a conferência no YouTube.

Dario Dongo e Pier Luigi Romiti

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

+ postagens

Especialista em política econômica e inovação. Responsável pela cadeia agroalimentar da Coldiretti, após longa experiência na Confagricoltura e Fedagri

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »