HomeIdéiaSoberania alimentar na Itália, o ABC. Reflexões e propostas ao novo ministro

Soberania alimentar na Itália, o ABC. Reflexões e propostas ao novo ministro

O governo liderado por Giorgia Meloni introduziu a soberania alimentar entre as competências do departamento de agricultura, agora confiado na Itália ao ministro Francesco Lollobrigida. O ABC a seguir, com algumas breves reflexões e propostas.

A) Soberania alimentar, noção

Soberania alimentar expressa a síntese dos valores e objetivos compartilhados no movimento camponês internacional La Via Campesina. (1) Sua definição depende:

  • o direito dos povos a uma alimentação saudável compatível com suas culturas, que deve vir
  • produzidos com métodos ecológicos e efetivamente sustentáveis, por meio de
  • autodeterminação nos sistemas de produção agrícola e alimentar.

'Soberania alimentar é o direito dos povos à alimentação saudável e culturalmente apropriada, produzida por meio de métodos ecologicamente corretos e sustentáveis, e seu direito de definir seus próprios sistemas alimentares e agrícolas'(Via Campesina, 1996).

B) Soberania alimentar, os seis pilares

Il Fórum pela soberania alimentar, reunido no Mali em fevereiro de 2007, definiu os seis pilares da soberania alimentar na declaração de Nyéléni:

1) direito à alimentação. Todos os Estados devem dar prioridade política à garantia da direito à alimentação, não deve ser entendido como uma simples moeda de troca,

2) valor do trabalho. A produção de alimentos deve ser incentivada por meio do apoio a meios de subsistência sustentáveis ​​e respeito, inclusive por meio de remuneração decente, para todos os trabalhadores,

3) cadeia de suprimentos curta. Os sistemas alimentares devem estar enraizados em territórios e populações. Isso significa:

a) reduzir a distância entre fornecedores e consumidores (localização, desintermediação),
b) excluir o despejo e ajuda alimentar inadequada, (2)
c) reduzir a dependência de fornecedores distantes e não responsáveis,

4) meios de produção. A terra e os meios de produção devem permanecer sob o controle dos produtores locais, que devem ter o direito de viver e compartilhar territórios. Os recursos naturais não devem ser privatizados,

5) cultura. O conhecimento tradicional deve ser apoiado e transmitido às gerações futuras também graças à pesquisa. Rejeitar tecnologias (por exemplo, OGMs, pesticidas sintéticos) que prejudicam os sistemas alimentares locais,

6) ecologia. A sinergia com a natureza é essencial para maximizar a contribuição dos ecossistemas e melhorar sua resiliência. Os métodos de produção intensivos em energia, monoculturais, industrializados e destrutivos são rejeitados. (3)

C) Direitos dos camponeses e comunidades rurais

La Uma declaração sobre os direitos dos camponeses e outras pessoas que trabalham em áreas rurais, aprovado pela Assembleia Geral da ONU em 19.11.18, destaca a responsabilidade de seus 193 membros em garantir a soberania alimentar, com atenção à biodiversidade e ao combate às mudanças climáticas.

Estados Membros da ONU e da própria UE, que nela participa como órgão supranacional, também devem garantir:

- uma vida digna aos seres humanos envolvidos nas cadeias de suprimentos. A justiça social, que se traduz em pagamentos justos de commodities agrícolas (os chamados feira comercial) e remuneração adequada para os trabalhadores,

- reforma agrária estrutural, projetada para garantir a disponibilidade de terra para quem a trabalha. E para proteger as populações contra o roubo das terras, cd apropriação de terras,

- liberdade uso de suas próprias sementes, que agricultores e trabalhadores devem poder conservar, usar, trocar e vender. (4)

Z) Soberania alimentar na Itália

Na itália a soberania alimentar ainda está por vir, fora dos circuitos virtuosos da agricultura camponesa e orgânica. 75.847 agricultores orgânicos certificados hoje trabalham 17,4% da área agrícola usada na Itália, um número encorajador e quase o dobro da média da UE (9,2%). (5) Mas a agricultura camponesa - que talvez expresse o maior potencial de crescimento mesmo em áreas urbanas e periurbanas - aguarda uma lei há doze anos. (6) E a agricultura social ainda aguarda o devido apoio que merece. (7)

Políticas agrícolas italianas - sempre escravizados no Palazzo Rospigliosi (primeiro Federconsorzi, depois Coldiretti) - faliram justamente por causa dos conflitos de interesse sistêmicos. A saga #VanghePulite, neste site, mostrou apenas uma parte da enorme fogueira de recursos públicos e privados provocada nos últimos anos pelo círculo mágico de Coldiretti. Uma 'união' enredada em vários negócio onde se especula sobre fazendeiros e pecuaristas, além de evadir as autoridades fiscais, com resultados úteis apenas para os detentores de cargos sempre pródigos, apesar de uma gestão muitas vezes desastrosa. (8,9,10,11,12). É assim que os dados a seguir são explicados.

Itália, agricultura abandonada

A Área Agrícola Usada (SAU) em Itália entrou em colapso entre 1982 e 2020, passando de 15,8 para 12,5 milhões de hectares. E as culturas de cereais diminuíram para metade em meio século, de 6 para 3 milhões de hectares (dados do Istat). A vizinha França tornou-se assim o principal produtor de produtos agrícolas na UE.

O abandono das terras cultivadas no entanto, não se deve ao seu 'uso impróprio', como os chamados 'Informatore Agrario'. (13) Antes, a políticas que tornaram antieconômico o cultivo da terra e o trabalho no campo, favorecendo também a contratação. (14)

A herança agroalimentar

Biodiversidade ligado aos territórios é o verdadeiro património a preservar, juntamente com a cultura e as tradições que caracterizam o Made in Italy. Um exemplo acima de tudo, a redescoberta e valorização de grãos antigos e misturas varietais de trigo cultivado organicamente, para fazer pães e massas com pegada de carbono negativa. (15)

Inovação tóxica que hoje aspiram as grandes confederações agrícolas baseia-se nos novos OGM. Para fortalecer a dependência dos agricultores italianos Big 4, os monopolistas globais de pesticidas e sementes. Na direção oposta à biodiversidade, a eco-agricultura (FAO, 2019) e a proteção dos ecossistemas (16,17).

Soberania alimentar ou colonialismo?

Ao novo ministro renovamos os apelos já formulados aos vossos predecessores. Soberania alimentar significa libertar-se do colonialismo de Corporação transnacionais, (18) que se expressam através das confederações agrícolas dominantes, em um conflito sistemático de interesses. (19) Alocar recursos públicos para apoiar os agricultores, começando pelos menores e mais ecológicos, em vez de financiar usinas solares para negócios estéreis e tratores desnecessários. (20)

#FoodSovereigntyAGORA

Dário Dongo

Imagem da capa da Via Campesina. Veja a nota 18

Note

(1) O movimento La Via Campesina, fundado em 1993 em Mons (Bélgica) por agricultores de vários continentes. Participam 182 organizações em 200 países ao redor do mundo, representando aproximadamente 200 milhões de pessoas. Na Itália está presente com ARI, a Associação Rural Italiana

(2) Kamini Krishna. A ajuda internacional é a panaceia para os problemas de África? https://www.jstor.org/stable/48505001 Assuntos mundiais, Outono de 2007, Vol. 11 No 3

(3) Declaração do Fórum para a Soberania Alimentar, Aldeia Nyéléni (Sélingué, Mali). 27.2.07
https://nyeleni.org/IMG/pdf/DeclNyeleni-en.pdf

(4) Dário Dongo. Direitos dos camponeses, Declaração da ONU. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 23.11.18

(5) Dario Dongo, Alessandra Mei. Resíduos de pesticidas em produtos orgânicos, contaminação acidental sob controle. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 18.10.22

(6) Dario Dongo, Giulia Caddeo. Campanha popular pela agricultura camponesa, pendente da lei. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 6.9.19

(7) Dario Dongo, Giulia Caddeo. Agricultura social, oportunidades à espera de apoio. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 1.5.21

(8) Dário Dongo. Nextalia sgr, o novo tentáculo de Coldiretti nas altas finanças. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 20.2.21

(9) Dário Dongo. Germina Campus, a holding Coldiretti que especula sobre os agricultores. #Pás limpas. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 13.6.21

(10) Dário Dongo. Ilícita em detrimento de agricultores e evasões fiscais, a Campagna Amica continua. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 10.9.21

(11) Dário Dongo. AgriCorporateFinance, mais um fiasco da Coldiretti às custas dos agricultores. #Pás limpas. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 15.4.22

(12) Dário Dongo. Soberania alimentar na Constituição, a exemplo do Cantão de Ticino. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 15.6.21

(13) Gabriele Canali. O que entendemos por soberania alimentar. https://www.informatoreagrario.it/news/cosa-dobbiamo-intendere-per-sovranita-alimentare/ O informante agrícola. 25.10.22

(14) Dario Dongo, Sabrina Bergamini. Água e saneamento, governos e cabos. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 28.7.20

(15) Dario Dongo, Paulo Caruso. Biodiversidade na agricultura, misturas varietais de trigo e pão orgânicos de alta qualidade. Ecossistemas, saúde e sabor. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 11.2.22

(16) Dario Dongo, Riccardo Clerici, Silvia Comunian. Novos OGMs, é essencial fortalecer a análise de risco. Revisão científica. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 14.6.20

(17) Dário Dongo. Novos OGMs a serviço dos agrotóxicos. Evidência de 9 no novo milho transgênico da Monsanto. Petição. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 4.7.20

(18) 16 de outubro de 2022, Dia Internacional de Ação pela Soberania Alimentar dos Povos contra as corporações transnacionais. Via Campesina. https://viacampesina.org/en/event/16-outubro-2022-international-day-of-action-for-peoples-food-sovereignty-against-transnational-corporations/

(19) Dário Dongo, Marta Cantado. CAP pós 2020, ambiente e saúde em risco. Apelo ao Parlamento da UE. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 16.10.20

(20) Dário Dongo. PAC, a Comissão Europeia rejeita o Plano Estratégico Nacional da Itália. #Pás limpas. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 14.4.22

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »