InícioIdéia'Sem óleo de palma', o sucesso do verdadeiro 'Made in Italy' faz com que ...

'Sem óleo de palma', o sucesso do verdadeiro 'Made in Italy' rompe o lobby da RSPO

A Itália é o primeiro país a se destacar pela eliminação progressiva da palmeira entre os ingredientes alimentícios. Foi o segundo maior importador da Europa até alguns anos atrás, mas a realidade agora mudou. Vamos ver por que, como e com quais reações.

O escritor foi o primeiro a denunciar a ligação viciosa entre a extensão do cultivo de dendezeiros, grilagem e desmatamento, no Food Facts, a partir de 2010. Em 2014 nosso site Great Italian Food Trade, juntamente com Fatto Alimentare, lançou a primeira petição visando excluir o uso dessa gordura tropical na produção de alimentos. Recolhendo mais de 176 mil assinaturas e, acima de tudo, uma ampla conscientização dos consumidores italianos que começaram a preferir alimentos 'sem palma'.

O VAvaliação Científica de 3 de maio de 2016 pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) ele então destacou os perigos associados à presença - na palma refinada para uso industrial, em quantidades 6-10 vezes maiores do que em outros óleos vegetais - de contaminantes de processo (GE, 2,3 MCPD) genotóxicos e cancerígenos. Além dos riscos já conhecidos, que surgem ingestão de gorduras saturadas e ácido palmítico.

Neste site também publicamos o cd 'Palma-vaza', onde se demonstra que o 'Big Food' estava ciente dos perigos para a saúde pública ligados aos contaminantes mencionados. Denunciando também a inação culposa - que ainda continua - na gestão criteriosa do risco de segurança alimentar, pela Comissão Europeia e pelos Estados-Membros.

Os consumidores italianos tomaram uma decisão clara, Stop Palm Oil!, e a cadeia de suprimentos foi capaz de responder prontamente. Vai ficar na história a decisão da Coop Itália, o primeiro 'varejista' do país, que em poucos dias a partir da publicação do parecer da EFSA eliminou a palmeira de todas as referências à sua marca que a continha, mais de 200. Antes e depois, quase todas as empresas e indústrias de produção , do último também Barilla que com BuonGrano também reduziu a gordura em mais de 40%.

O 'lobby' do encrenqueiros da palmeira portanto, parece ter dissolvido em um copo de água, ou melhor, de óleo de girassol. A gigantes da Malásia denunciar a traição daqueles que ostentam o 'livre de óleo de palma', apesar dos compromissos assumidos na RSPO. Os 'palmares' da obstinação permanecem com Mondelez (Kraft), Unilever e Ferrero na vanguarda, Nestlé, Mars, Danone e outros nos bastidores. Enquanto isso, na Itália, o Petição "Ferrero Pense de Novo" colher novos elogios.

O verdadeiro 'Made in Italy' reafirma-se assim como 'palm oil free', de acordo com a melhor tradição e respeitando os valores das comunidades locais, do ambiente e dos consumidores.

Dário Dongo

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »