HomeIdéiaPaz, Terra e Dignidade. O nosso movimento nas eleições europeias de 2024

Paz, Terra e Dignidade. O nosso movimento nas eleições europeias de 2024

O escritor decidiu aderir ao movimento Paz, Terra e Dignidade instituído por Michele Santoro - com base nos valores partilhados no programa aqui anexo - tendo em vista as próximas eleições para o Parlamento Europeu que se realizarão em Itália em 8 e 9 de junho de 2024.

Esperamos poder trazer a Estrasburgo as vozes da população que nos últimos anos nem a União Europeia nem os Estados-membros quiseram consultar, antes de tomar decisões com um enorme impacto na vida e na existência de todos nós. Abaixo estão algumas propostas concretas.

1) PAZ

L'Europa construída sobre as cinzas do segundo conflito global, está hoje à beira de uma terceira guerra mundial que não terá vencedores nem perdedores, mas apenas mortes e catástrofes. Os cidadãos europeus estão a pagar pelas escolhas belicistas de "poderes fortes'com a mais grave crise social e económica dos últimos 70 anos:

– Sanções da UE à Rússia e a sabotagem do gasoduto North Stream causaram uma crise energética que era totalmente previsível, mas deliberadamente ignorada. (1) Abandonar o metano russo forçou-nos a depender do insustentável'gás de xisto', cujos custos acrescidos paralisaram todos os sectores de produção na UE

– os 180 mil milhões em 'ajuda, da União Europeia à Ucrânia, à qual se somam os generosos 'ajuda' dos Estados-Membros, desviaram para a indústria da guerra os recursos que deveriam ter sido atribuídos à saúde pública, educação e investigação, bem-estar e assistência social, pensões, agricultura e soberania alimentar.

Pobreza em massa que nos é apresentado como “inevitável” gerou lucros extras para os gigantes financeiros que especulam com as populações através de bancos, fornecedores de energia, companhias de seguros, monopolistas de mercadorias agrícolas, gigantes industriais e distribuição organizada em grande escala (3,4).

A economia de guerra até agora causou mais de 750.000 mil mortes, milhões de pessoas deslocadas e dezenas de milhares de deficiências, em nome de um conflito entre países terceiros que os cidadãos europeus nunca desejaram. Uma guerra que deveria ter sido evitada e que agora deve ser travada com as ferramentas da diplomacia, para encontrar um novo equilíbrio multipolar.

2) TERRA

Soberania alimentar – entendido como direito à alimentação e à terra, autodeterminação e controlo dos meios de produção, valor do trabalho, transição ecológica apoiada por ajudas públicas (5) – é o nosso ponto de partida, em linha com os valores e objetivos partilhados internacionalmente pelo movimento La Via Campesina.

Políticas agroalimentares europeias deve ser reformado antes de tudo nas seguintes medidas:

A) #preçojusto. A Diretiva 2019/633 da UE sobre práticas comerciais desleais deve ser reformada, a fim de garantir a estimativa exata dos custos reais de produção dos produtos agroalimentares em todas as fases da cadeia de abastecimento, em distritos individuais, a transparência das bolsas de valores online e a proibição de vendas abaixo do custo (a inserir noAs listas negras' práticas que são sempre proibidas). Os consumidores devem poder conhecer os preços pagos aos agricultores e às empresas de transformação. Os controlos devem ser confiados às autoridades responsáveis ​​pelos controlos fiscais (6)

B) Agricultura familiar e camponesa. As explorações familiares e camponesas representam 94,8% do total, a nível europeu, mas as suas necessidades ainda são ignoradas em nome dos interesses (contraditórios) das oligarquias agro-industriais, que devoram a maior parte da política agrícola comum, e das sementes e monopolistas de pesticidas. (7) A Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos agricultores e dos trabalhadores nas zonas rurais deve ser aplicada na PAC através de uma redistribuição substancial da ajuda e da simplificação burocrática das condições sociais e ambientais (essenciais). (8) Para capacitá-los a cuidar da terra, das paisagens e das pessoas.

C) Agroecologia. A produtividade do solo e a redução dos riscos agrícolas e hidrogeológicos devem ser promovidas com ajuda direta e apoio ao rendimento dos agricultores, criadores e pastores europeus. Essas ajudas devem ser precisamente orientadas para a conversão de monoculturas em policulturas, rotações e práticas agronómicas tradicionais, a substituição de substâncias químicas tóxicas por pesticidas e fungicidas permitidos na agricultura biológica (com especial atenção aos bioestimulantes, por exemplo, algas, microalgas e taninos, micorrizas) , a economia circular e o bem-estar animal (9,10,11). Sem arriscar a desregulamentação de novos OGM e a escravatura das suas patentes. (12)

D) Parar o consumo de terra. A impermeabilização dos solos (por exemplo, betão, asfalto) é uma das principais causas da perda de biodiversidade e de serviços ecossistémicos, bem como do aumento dos riscos hidrogeológicos. O betão continua a devorar terrenos agrícolas e áreas naturais, alimentando também o negócio oligárquico dos painéis solares - que devem ser instalados em armazéns e outros edifícios, incluindo nas margens de estradas e caminhos-de-ferro - e das turbinas eólicas (que devem ser instaladas no mar , milhas da costa). (13) A União Europeia deve implementar a estratégia de protecção do solo, dispersa na legislatura agora caducada, com o mais absoluto rigor. (14)

E) Informação ao consumidor. O Regulamento (UE) 1169/11 deve ser reformado a fim de garantir a informação ao consumidor sobre o país onde os alimentos são produzidos e o(s) país(es) de onde provêm os ingredientes primários (>50%) e significativos (ou seja, característicos), sem exceções. (15) É também necessário reforçar e harmonizar a proteção dos consumidores alérgicos e intolerantes, tanto no que diz respeito à informação sobre os alimentos vendidos a granel, pré-embalados e servidos em estabelecimentos públicos, como às tolerâncias em casos de contaminação acidental (16)

F) Acordos de livre comércio. EU 'acordo de livre comércioOs ultra-liberalistas devem ser mudados nas partes que dizem respeito à troca de produtos agrícolas e alimentares. Deve ser introduzida uma cláusula de reciprocidade para garantir o cumprimento das normas de segurança alimentar, os direitos dos trabalhadores e a compensação justa, bem como a protecção do ambiente e da biodiversidade. (17) Além de um 'imposto do carbono' no transporte intercontinental. Os contingentes tarifários devem ser sempre atualizados todos os anos, tendo em conta a produção agrícola e as necessidades de cada cadeia produtiva.

3) DIGNIDADE

As pessoas estão no centro do nosso movimento político que aspira lutar pela dignidade de todos os seres humanos, sem exceção. Em linha com os objetivos e atividades desenvolvidas pela associação sem fins lucrativos Igualdade ETS, fundada pelo escritor em 2019. Dignidade significa reconhecer concretamente, para todos, a igualdade de direitos e oportunidades que hoje só existem no papel. Justiça social em vez de esmolas esporádicas. Na prática:

A) Renda mínima garantida. A Diretiva 2022/2041 da UE introduziu alguns requisitos mínimos em matéria de igualdade de oportunidades, acesso ao trabalho e proteção social. (18) Sem, no entanto, exigir que os Estados-Membros adoptem critérios adequados para garantir um rendimento médio garantido, para permitir aos trabalhadores uma vida digna, tendo em conta o custo de vida. Uma garantia ainda mais indispensável no sector dos serviços - que em Itália representa 73% dos trabalhadores, muitas vezes independentes - agravada pela 'gig-economia'. (19) A directiva deverá, portanto, ser posta em causa.

B) Pobreza, desemprego e benefícios, pensões. O risco de pobreza ou exclusão social atingiu o nível endémico de 22% da população europeia, mais de 95 milhões de pessoas, ainda antes da recessão causada pelo efeito bumerangue das sanções à Rússia (dados do Eurostat, 2021-2022). Com acentuada prevalência entre pessoas com deficiência e com nível de escolaridade médio-baixo (20,21). A UE deve introduzir subsídios de desemprego com obrigações de formação e trabalho social, escolas infantis gratuitas (22) pensões mínimas garantidas para pessoas incapazes de trabalhar e idosos.

C) Deficiência. O Observatório Nacional de Saúde nas Regiões Italianas relata 13 milhões de pessoas com deficiência, que 'muitas vezes vivem sozinhos e os serviços que lhes são dedicados são escassos, assim como os recursos que lhes são atribuídos'. (23,24). Os recursos muito limitados para as pessoas com deficiência grave, mais de 3 milhões em Itália, bem como para as mães e cuidadores (25,26), estão a ser cortados em todo o lado. Do governo de Giorgia Meloni à Região da Lombardia de Attilio Fontana, à Roma Capitale de Roberto Gualtieri (27,28,29). Além disso, a União Europeia nunca se preocupou em garantir a aplicação da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CRPD, 2006). (30) Completamente ignorado com a 'institucionalização' dos mais fracos, bem como com as barreiras culturais e arquitectónicas omnipresentes.

D) Saúde. Em 23 de setembro de 2019, os 194 países membros da ONU comprometeram-se a garantir um nível adequado de cobertura universal de saúde até 2030. O compromisso correspondente de 'investir pelo menos 1% a mais do PIB em cuidados de saúde primários' (31), no entanto, foi desviado para o armamento, pelo menos nos países da UE, com o resultado do colapso de um sistema de saúde pública cada vez mais privatizado. Depois do desastre socioeconómico da Covid e da saga do 'vacinas' entre suspeitas de corrupção não resolvidas, (32) falsas promessas e efeitos colaterais, pseudo-ditadura da saúde e lucros extras.

E) Segurança alimentar. A Comissão de Ursula von der Leyen traiu os seus compromissos de rever a regulamentação dos materiais e objectos em contacto com os alimentos, bem como a das substâncias químicas omnipresentes nos objectos do quotidiano (33,34). Não considerou os riscos para a saúde associados aos microplásticos e, em última análise - em acordo com os lobbies dos gigantes agroquímicos, bem como com Coldiretti e os representantes dos proprietários de terras europeus - retirou a proposta para reduzir a utilização dos produtos químicos tóxicos mais perigosos na agricultura (35,36). Enquanto os cancros e as doenças neurológicas associadas à sua exposição avançam.

4) PAZ, TERRA E DIGNIDADE

Um movimento vindo de baixo, formada por quem está há anos na linha de frente na escuta e no estudo dos problemas - bem como na batalha para propor soluções - pode ajudar na mudança. Portanto, estou envolvido, pela primeira vez na minha vida, num movimento político que está concorrendo a eleições.

A missão é árdua uma vez que teremos de atingir o limiar de 4% dos votos em Itália, sem qualquer financiamento. Nem esperamos que a sequência seja 'mídia', porque os valores que propomos são antitéticos aos interesses dos seus grandes anunciantes e dos grupos de poder que os controlam.

A revolução está nas mãos de todos nós e deve ser exercido, pacificamente, em todos os fóruns possíveis. Mesmo dentro de instituições onde muitas decisões são tomadas sem prestar atenção aos direitos das populações, à sua vontade e ao bem comum. E continuará, em qualquer caso, nestes locais como nas praças.

#PeaceEarthDignity, #Égalité

Dário Dongo

VÍDEO. Dario Dongo, Programa Paz, Terra e Dignidade para as eleições europeias de 2024
VÍDEO. Dario Dongo, Programa Paz, Terra e Dignidade para as eleições europeias de 2024

recinto Programa eleitoral 'Paz, Terra e Dignidade'. Nossos valores

Note

(1) Dário Dongo. Gás e eletricidade, uma crise anunciada. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 20.3.22

(2) O ‘gás de xisto’ é extraído por fraturamento hidráulico da argila em profundidades superiores às dos aquíferos, causando poluição e impossibilidade de aproveitamento (além de riscos sísmicos). O rendimento de extração é menos da metade do metano. Este gás é então liquefeito, para ser transportado por navio através do Oceano Atlântico e outros mares, e regaseificado perto dos portos dos países de destino.

(3) Marta Cantado. Aumento dos preços e crise alimentar em tempos de guerra. Antecedentes no relatório iPES FOOD. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 10.5.22

(4) Marta Strinati, Dario Dongo. Greedflation, os superlucros de corporações e supermercados no Reino Unido com a desculpa da inflação. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 17.3.23

(5) Dário Dongo. Soberania alimentar na Itália, o ABC. Reflexões e propostas ao novo ministro. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 28.10.22

(6) Ver ponto 3 do artigo anterior de Dario Dongo. Abaixo do custo, agricultores protestam em França. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 21.1.24

(7) Dário Dongo. Sementes, os 4 mestres do mundo. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 15.1.19

(8) Marta Cantado. CAP pós-2022, o fracasso da transição ecológica na agricultura. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 24.11.21

(9) Donato Ferrucci, Dario Dongo. Nutrição dos solos e das culturas, o plano de ação integrado na UE. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 10.7.22

(10) Dario Dongo, Giulia Pietrollini. Economia circular nos sistemas agroalimentares, uma urgência econômica. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 4.5.23

(11) Dário Dongo. Bem-estar animal, carta aberta da sociedade civil à Comissão Europeia. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 11.9.23

(12) Dario Dongo, Alessandra Mei. Novos OGM, NGTs. Luz verde de Estrasburgo para a desregulamentação. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 9.2.24

(13) Dario Dongo, Gabriele Sapienza. Itália, consumo de terra e serviços ecossistémicos. Relatório ISPRA. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 8.11.23

(14) Dário Dongo. Proteção do solo, estratégia 2030. O ABC. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 6.12.21

(15) Dário Dongo. Origem das matérias-primas no rótulo, o problema não resolvido. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 5.3.24

(16) Dário Dongo. Alérgenos e RASFF, apagão europeu. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 13.7.22

(17) A cláusula de reciprocidade relativa aos direitos humanos e dos trabalhadores, bem como à proteção ambiental, pode seguir os critérios introduzidos no regulamento. (UE) 2023/1115. Veja Dario Dongo. Regulamentação do Desmatamento. Começa a due diligence em matérias-primas críticas. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 29.7.23

(18) Elena Bosani. Salário mínimo garantido, proposta de diretiva da UE para a sustentabilidade social do trabalho. Igualdade. 18.3.21

(19) Na UE, 21 dos 27 Estados-Membros têm um salário mínimo garantido. Os outros seis – incluindo Itália e Chipre, bem como Áustria, Dinamarca, Finlândia e Suécia – determinam os níveis salariais com base na negociação colectiva.

(20) Sabrina Bergamini. Pobreza na Europa, mais de um quinto da população em risco. igualdade. 20.9.22

(21) Pessoas em risco de pobreza ou exclusão social em 2022. Eurostat. 14.6.23 https://tinyurl.com/4ezczxbr

(22) Dario Dongo, Sabrina Bergamini. Pobreza infantil e educacional na Itália. igualdade. 20.9.19

(23) Dário Dongo. Itália, uma população de idosos e deficientes. Relatório ISTAT 2022. igualdade. 17.4.23

(24) Poucos dados são recolhidos pelo Eurostat na «base de dados sobre deficiência» https://ec.europa.eu/eurostat/web/disability/database

(25) Dario Dongo, Sabrina Bergamini. Itália, mães e cuidadores sem proteção. igualdade. 22.4.19

(26) Dário Dongo. Se este for um estado. Deficiências graves e cuidadores familiares. igualdade. 31.12.19

(27) Stefano Baudino. Cortes no cuidado de crianças deficientes: o outro drama censurado pelo Festival de Sanremo. O Independente. 19.2.24 https://tinyurl.com/52hd7ns6

(28) Valério Valleri. Cortes na assistência a pessoas com deficiência nas escolas, alertam sindicatos de base ao Capitólio. Roma Hoje. 11.1.24 https://tinyurl.com/2hjk4jbr

(29) Cortes para cuidadores. As associações do mundo da deficiência irão manifestar-se na praça. Disabil.com. 17.3.24 https://tinyurl.com/3rneb47m

(30) Dario Dongo, Sabrina Bergamini. Deficiência, nova Estratégia Europeia 2021-2030. igualdade. 12.3.21

(31) Dario Dongo, Sabrina Bergamini. Cobertura universal de saúde, declaração da ONU. igualdade. 22.1.20

(32) Dário Dongo. 4 milhões de euros choveram na conta do Comissário Europeu para as Vacinas. igualdade. 12.5.21

(33) Dario Dongo, Paolo Rebolini. Utensílios de cozinha e materiais em contacto com alimentos, condições de teste na UE. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 22.8.23

(34) Marta Cantado. Química perigosa, o roteiro de restrições da Comissão Europeia. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 3.5.22

(35) Dário Dongo. Protestando agricultores, pesticidas em vez de #fairprice. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 7.2.24

(36) Sabrina Bergamini, Dario Dongo. Microplásticos no seu prato, dois novos estudos e uma petição. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 13.6.19

(37) Os agricultores voltam a bloquear a vizinhança europeia em Bruxelas. Depois do duplo cerco levado a cabo no início e no final de fevereiro para contestar as políticas da UE, cerca de uma centena de tratores reúnem-se esta manhã perto das sedes das principais instituições da UE. Alguns incêndios ocorreram na Place du Luxembourg, em frente aos edifícios do Parlamento Europeu, que já tinha sido invadida no dia 1 de Fevereiro. Fogos de artifício estão sendo lançados perto da sede da Comissão Europeia e do Conselho da UE, onde os Ministros Europeus da Agricultura se reúnem. Alguns incêndios foram provocados pela queima de pneus e fardos de feno até mesmo em frente ao departamento responsável pelo desembolso dos recursos da Política Agrícola Comum (PAC). Existem atualmente cerca de uma centena de tratores reunidos na Rue de la Loi, a principal artéria que atravessa o distrito da UE. Os agricultores da FUGEA e da ECVC regressam a Bruxelas.

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »