InícioAtores-consumidoresOvo de chocolate. Aditivos, óleo de palma e preços exorbitantes. 24...

Ovo de chocolate. Aditivos, óleo de palma e preços exorbitantes. 24 em comparação

Os ovos de chocolate, um presente de Páscoa “indispensável”, são o exemplo clássico da zombaria dos consumidores por parte da Big Food. Preços desproporcionais apenas pelo formato dos moldes e pela ‘surpresa’ (realmente revelada na embalagem), independentemente da qualidade dos produtos. Abaixo está a análise de 24 ovos de chocolate disponíveis nas gôndolas dos supermercados. A amostra inclui 13 ovos de chocolate ao leite, 5 ovos de “chocolate” branco e 6 ovos de chocolate amargo. (1)

A grande dança do ovo de chocolate

O primeiro elemento o que chama a atenção do consumidor é a inflação, ou melhor, o ganância. O preço médio do chocolate moldado em forma de ovo é de 52 euros/kg, e não se justifica de forma alguma nem pela qualidade dos ingredientes, que em média é fraca, nem pelo tipo de chocolate (ao leite ou preto).

A diferença de preço por quilo, diria-se que está ligado apenas à notoriedade das marcas e gadgets do fabricante (personagens de desenhos animados, séries de televisão, etc.), ou ao tipo de surpresa. Com um aumento médio de preços de 7,4%, em relação a 2023, segundo pesquisa realizada pela Altroconsumo. (2)

Óleo de palma e aromas sintéticos

azeite de dendê parecia ter quase desaparecido dos alimentos em Itália, graças ao sucesso da nossa petição contra a sua utilização na alimentação, uma vez que a sua produção é a principal causa do roubo de terras, da desflorestação e do extermínio de orangotangos. Ainda mais depois que a EFSA revelou a carcinogenicidade e genotoxicidade de três contaminantes de processo presentes nas gorduras mais pobres. (3) Em vez disso, encontra-se na lista de ingredientes de um terço dos ovos de chocolate examinados, todos das marcas Ferrero e Nestlé.

Aromas sintéticos a química, por sua vez, está presente em mais de 37% da amostra.

Cacau ganha destaque apenas nos ovos de chocolate amargo, enquanto nas outras duas versões é superado pelo açúcar.

Ovos de chocolate ao leite, querido Kinder

Entre os 13 ovos de chocolate ao leite, 6 vêm acompanhados de gadgets infantis. O preço médio é de 52 euros/kg, variando entre os 33 euros/kg para o Pernigotti e os 80 euros/kg para o Kinder Gran Sorpresa. Este último é o mais caro mesmo só no segmento infantil, onde o custo médio é de 56€/kg.

Preço e qualidade são variáveis ​​independentes. O ovo Kinder Gran Surprise é emblemático e dá direito a

  • a menor quantidade de cacau. 14,5%, em comparação com uma média de 30,7%
  • a maior quantidade de gorduras saturadas. 24,1%, em comparação com uma média de 19,6%
  • a presença do óleo de palma, juntamente com Ferrero Rocher e Kit Kat da Nestlé
  • adição de aromatizantes sintéticos, assim como em outros 5 ovos de chocolate ao leite: Dolfin, Ferrero Rocher, Lindt, Motta e Bauli apenas na versão infantil (no ovo adulto utiliza baunilha natural).

Açúcares são abundantes. Comparado com uma média de 52,5% – mais da metade do ovo inteiro – a faixa vai de 39% para Sperlari a 56,6% para Dolci Preziosi. As lecitinas de soja estão sempre presentes.

ovos de chocolate ao leite
Ovos de chocolate branco, o cacau perdido

Cacau é um elemento marginal no chocolate branco. Entre os cinco produtos selecionados, apenas no das 'assinaturas Grandi' Bauli o percentual é especificado (26%).

Gorduras saturadas e açúcares, no entanto, são abundantes:

– a média de gorduras saturadas é de 20,22 g por 100 g de produto, com mínimo de 18,5 g no Galak Nestlé e máximo de 22 g no Lindt,

– os açúcares são mais abundantes do que nos ovos de chocolate ao leite. A média é de 54,4%, com mínimo de 43,5% na Ferrero Rocher e máximo de 59% na Perugina Baci Bianco da Nestlé.

azeite de dendê é usado no Galak e nos bombons incluídos na Ferrero Rocher. Esta última é a única, juntamente com a Lindt, que utiliza aromas sintéticos. As lecitinas de soja estão por toda parte.

O preço médio é de 53€/kg, com um mínimo de 43€ para Bauli e um máximo superior a 58€ para Perugina Baci.

ovos de chocolate branco
Ovos de chocolate amargo

Em ovos de chocolate amargo o cacau volta como protagonista com percentuais em torno de 50%. Uma exceção é a Perugina Baci ultra-fundente 70%.

Ferrero Rocher o chocolate amargo com avelãs é o único dos seis produtos comparados que utiliza óleo de palma nos bombons e aromas sintéticos.

O emulsionante A lecitina de soja está sempre presente. Quanto aos macronutrientes,

– as gorduras saturadas representam em média 20% do produto, com pico máximo de 23,2 no Perugina Baci escuro 70% e mínimo (18,2%) no Ferrero Rocher Pasqua d'oro,

– os açúcares são menos invasivos, em comparação com os ovos de leite e o “chocolate” branco. A média é de 44g por 100 gramas de ovo, com máximo de 51g no Bauli Grandi firme e mínimo de 27g na versão ‘amarga’ da Perugina 70%.

O preço médio custa 51 euros, pouco abaixo das versões 'leite', muitas vezes destinadas a crianças e, portanto, oneradas pelo custo dos gadgets.

ovos de chocolate amargo

Glúten e outros alérgenos

Quase todo dos 24 ovos de chocolate examinados comunicam ausência de glúten. Eles são exceções

- Kit Kat
–Sperlari Zanzibar
– Avelãs Ferrero Rocher
– Troncos de grandes nomes.

Em dois casos a afirmação “sem glúten” aparece na frente do rótulo: Dolci Preziosi com leite (Pokemon) e Galak Nestlé. Nos demais aparece no final da lista de ingredientes.

Na mesma área A possível presença de outros alérgenos é comunicada no rótulo. E aqui a violação das regras é galopante. Quase todos os operadores declaram “pode conter frutos de casca rija” ou “pode conter outros frutos de casca rija”. Um aviso incorreto porque não indica o tipo de alérgeno, como vimos. (4)

é uma exceção Ferrero:
– no Rocher branco e no de avelã avisa corretamente 'Pode conter amêndoas, pistache'
– no Kinder Sorpresa não consta nenhuma advertência sobre risco de contaminação.

Apesar da presença de lecitinas de soja, nenhum rótulo alerta para a possível presença deste alérgeno. Porém, como vimos, o consumo de lecitinas (aditivo E 322) não é recomendado para pessoas alérgicas à soja, pois não se pode excluir a possibilidade de contaminação pelas frações proteicas deste alérgeno. (5)

A insustentabilidade dos ovos de chocolate

Sustentabilidade Não está na moda na Páscoa. Pelo menos três ingredientes dos ovos de chocolate correm alto risco de exploração, mas quase nunca há vestígios deles nos rótulos.

Para o cacau, a única marca que exibe um logotipo relacionado à sustentabilidade desse ingrediente é a aliança Nestlé com Rainforest. No entanto, este ingrediente precioso é frequentemente obtido através de práticas violentas, como a exploração do trabalho infantil com exposição de menores a pesticidas e herbicidas perigosos sem equipamento de protecção individual, abusos recentemente contestados pelos defensores dos direitos internacionais contra os gigantes Mars, Cargill e Mondelez. (6)

Para as avelãs, apenas Sperlari Zanzibar relata sua origem italiana. Contudo, mesmo para este ingrediente, as importações provenientes do estrangeiro representam riscos importantes, conforme documentado pela investigação da BBC sobre o trabalho infantil e a exploração de trabalhadores na Turquia nas plantações de avelãs que abastecem a Ferrero. (7)

No óleo de palmafinalmente, ao longo dos anos documentámos extensivamente os casos de apropriação de terras e desflorestação ainda em curso no Brasil para produzir óleo de palma “sustentável” destinado à Ferrero e a outros gigantes da indústria alimentar globalizada. Nestlé, PepsiCo, Kellogg's, Mars, Danone e Langnese entre outras. (8) Os rótulos são omissos sobre o assunto. E talvez seja melhor.

Marta Chamuscado

Note

(1) Amostragem realizada em 23 de março de 2024 no grande comércio retalhista.

(2) R. Usai, G. Voto. Em relação ao ano passado, os preços dos ovos de Páscoa aumentaram 7,4%. O custo das pombas é estável. Altroconsumo. 19.3.24 https://www.altroconsumo.it/alimentazione/fare-la-spesa/speciali/prezzi-dolci-pasquali

(3) O óleo de palma contém substâncias cancerígenas e genotóxicas. Alerta EFSA para crianças e adolescentes. Consumo recorde na Itália. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 5.5.16

(4) Dário Dongo. Pode conter vestígios de... alérgenos? Pista de crime. FARE (Requisitos Alimentares e Agrícolas). 11.8.17

(5) Marta Cantado. Frùttolo e outros snacks de leite, 10 produtos comparados. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 25.9.21

(6) Dário Dongo. Abuso infantil de cacau, ação coletiva nos EUA. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 6.1.24

(7) Dario Dongo, Guido Cortese. Ferrero, avelãs e trabalho infantil. Investigação da BBC na Turquia. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 16.11.19

(8) Dário Dongo. Brasil, grilagem de terras e desmatamento para óleo de palma 'sustentável' da Ferrero e Big Food. Carta aberta. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 22.5.23

Marta Chamuscado
+ postagens

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »