HomeAtores-consumidoresNGTs, novos OGM, avanços na desregulamentação

NGTs, novos OGM, avanços na desregulamentação

Em 24 de janeiro de 2024, a Comissão ENVI (Ambiente, Saúde Pública e Segurança Alimentar) do Parlamento Europeu votou a favor do desregulamentação de novos OGM, ou NGTs (Novas Técnicas Genômicas). 'Um tapa na cara do princípio da precaução e uma condenação da agricultura orgânica, do Made in Italy livre de OGM e da agroecologia', de acordo com a Coalizão Itália Livre de OGM. 'Uma ameaça aos direitos dos agricultores e dos consumidores, sem protecção contra os riscos de contaminação de culturas e alimentos com novos OGM', comenta o Greenpeace.

1) NGTs, novos OGM, avanços na desregulamentação

Os eurodeputados da Comissão ENVI aprovou com 47 votos a favor, 31 contra e 4 abstenções o relatório de Jessica Polfjärd (Partido Popular Europeu, PPE) sobre a proposta desregulamentação de novos OGM adotados em 5 de julho de 2024 pela Comissão Europeia. Esta proposta, como vimos, visa:

– afirmar um critério de equivalência, sem qualquer base científica, entre plantas tradicionais e NGTs de categoria 1; (1)

– excluir as obrigações de autorização prévia, rastreabilidade e rotulagem dos novos OGM acima referidas;

– introduzir um procedimento simplificado de avaliação dos riscos para outras NGT (categoria 2);

– impedir os Estados-Membros de manterem ou introduzirem restrições e proibições à utilização de novos OGM nos seus territórios. (2)

O Parlamento Europeu agravou então a situação ao propor a abolição da proibição da utilização de novos OGM na agricultura biológica. (3)

2) Alinhamentos políticos

O apoio um desregulamentação dos novos GM, ou NGTs, vem dos grupos políticos PPE (Partido Popular Europeu), ECR (Conservadores e Reformistas Europeus) e ID (Identidade e Democracia, embora com duas abstenções).

Posições variadas entre os eurodeputados do S&D (Socialistas e Democratas. Com voto a favor de Achille Variati e abstenção de Alessandra Moretti, entre outros) e os liberais pró-europeus do Renew (ALDE).

Antônimos em geral, porém, os representantes da esquerda (a Esquerda) e dos Verdes (Verts/ALE).

3) Preocupações da comunidade científica

Antes de (Agence Nationale Sécurité Sanitaire Alimentaire Nationale, França) publicou um parecer científico – em 21 de dezembro de 2023, conforme visto (4) – que sublinha a improcedência da afirmação de equivalência de «NGT da categoria 1» com plantas derivadas de técnicas convencionais.

La Comunà científico internacional, por sua vez - em duas posições assinadas por centenas de investigadores e professores universitários, como vimos (4) - manifestou por sua vez preocupações concretas relativamente aos efeitos da desregulamentação sobre a biodiversidade, o ambiente, a saúde animal e as plantas.

A avaliação a prevenção dos riscos associados à introdução deliberada de novos OGM no ambiente é uma obrigação, explicam os cientistas, face aos potenciais efeitos perturbadores na bioquímica e na fisiologia da planta, bem como no ambiente, que de outra forma seriam imprevisíveis .

4) Posições da sociedade civil

A Coalizão Itália Livre de OGM – composta por 41 organizações camponesas e de agricultura biológica, ambientalistas, sindicais e de consumidores (5) – manifesta forte oposição à posição expressa pela Comissão ENVI do Parlamento Europeu sobre a desregulamentação de novos OGM obtidos com Novas Técnicas Genómicas (NGT) .

Ignorância deliberada do princípio da precaução, com renúncia preventiva ex-lei à necessária avaliação de riscos na perspectiva de Uma Só Saúde, expõe os ecossistemas e as populações a perigos que não podem ser aceites precisamente porque são imprevisíveis e incontroláveis. Devemos, portanto, parar o processo de desregulamentação e iniciar um debate público sobre o futuro da agricultura na Europa.

AgricultoresAlém disso, correm o risco de sofrer a contaminação de culturas não-OGM por NGT, inclusive através da polinização, e também de serem forçados a pagar os seus royalties. 'A questão é: quem pagará pelos danos causados ​​pela poluição genética num país como a Itália, que fez da produção livre de OGM o seu carro-chefe no mundo?,

5) Questão de patente

A alteração aprovado na Comissão ENVI, onde se presume a não patenteabilidade das características genéticas obtidas através de NGT, é então completamente irrealista (6). A proibição de patentear exige, de facto, uma reforma substancial da Convenção Europeia de Patentes, com a adesão de todos os Estados-membros. Impossível, dados os interesses opostos das quatro empresas que dominam o mercado global de pesticidas e sementes. (7)

'Desregulamentação Beneficiaria grandes empresas de sementes e agroquímicos, como a Bayer-Monsanto, a BASF, a Corteva e a Syngenta, resultando numa maior concentração do controlo sobre o sistema alimentar e de sementes. Tudo isto a coberto de uma parte do mundo científico, que se financia através da estipulação de acordos de licenciamento de tecnologias de modificação genómica às principais multinacionais..

6) Próximos passos

O relatório da Comissão ENVI irá à votação do Parlamento Europeu, talvez já na sessão plenária de 5 a 8 de fevereiro de 2024. A proposta será então objeto de negociações com a Comissão Europeia e o Conselho, cuja atual presidência belga está a tentar chegar a um acordo após as tentativas vãs da anterior Presidência espanhola. (8)

No horizonte entretanto podemos vislumbrar plantas com inserções de genes animais, como o ‘Piggy Sooy’, (9) e o trigo OGM resistente a um pesticida neurotóxico que poderá pôr fim à identidade do cereal protagonista da cultura milenar do Velho Continente. (10) Talvez em breve nas nossas mesas, graças a políticos imprudentes que negociam sobre nucleótidos.

Dário Dongo

Note

(1) Dário Dongo. Novos OGM, SNG. A proposta de desregulamentação da Comissão Europeia. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 4.7.23

(2) NGTs de categoria 1 são aquelas feitas com no máximo 20 inserções genéticas diferentes por planta (até 20 nucleotídeos), qualquer número de deleções ou inversões de DNA, e a introdução de sequências de DNA das chamadaspool genético reprodutivo', exceto manipulações genéticas para uso 'resistente a herbicidas'

(3) Dário Dongo. Novos OGM na agricultura biológica? A proposta do Parlamento Europeu. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 28.10.23

(4) Dário Dongo. NGTs, novos OGM. Cientistas e ANSES expõem os riscos da desregulamentação. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 23.12.23

(5) A posição da Coligação Itália Livre de OGM é partilhada pela Associação de Utilizadores de Consumo, Agorà degli Habitantes da Terra, AIAB, AltragricolturaBio, ASCI, Assobio, Associação para a Agricultura Biodinâmica, Associação Rural Italiana, Attac Italia, Crocevia International Centro, Civilização Rural, Cultivando por Partilha, Consórcio Quarantina, Coordenação ZeroOgm, CUB, Deafal, Demeter, Equivita, igualdade, European Consumers Aps, Fairwatch, National Pro Natura Federation, Federbio, FIRAB, Fondazione Seminare il Futuro, Greenpeace, ISDE, Legambiente, Lipu, Navdanya International, RIES – Rede Italiana de Economia Solidária, Reorient, Ress, Seed Vicious, Slow food Itália, Terra!, Terra Nova, Transforme! Itália, USB, Verdi Meio Ambiente e Sociedade, WWF.

(6) Unidade Europeia do Greenpeace. A proposta da Comissão sobre a desregulamentação das “novas plantas OGM”: um ataque à legislação da UE, aos direitos dos consumidores e dos agricultores e ao direito dos Estados-Membros de regulamentarem o cultivo de OGM. Janeiro de 2024 http://tinyurl.com/2s4pfwr7

(7) Dário Dongo. Sementes, os 4 mestres do mundo. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 15.1.19

(8) Marta Strinati, Dario Dongo. Novos OGM, estados membros hesitam na desregulamentação. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 11.12.23

(9) Dário Dongo. Agricultura molecular, soja transgênica com genes suínos. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 3.1.24

(10) Dário Dongo. Trigo OGM HB4 conquista o mundo. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 29.12.23

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »