HomeAtores-consumidoresCOVID-19. Compras em casa para deficientes e idosos, o apelo da Égalité para ...

COVID-19. Compras em casa para deficientes e idosos, o apelo da Égalité para distribuição em larga escala e comércio eletrônico

Deficientes e idosos, doentes e imunossuprimidos. Os cidadãos e consumidores mais fracos, fechados em casa por incapacidade de locomoção e assistência reduzida, correm o risco de sofrer deficiências nutricionais. Justamente quando uma dieta balanceada - com variedade de vegetais, frutas e outros alimentos frescos - é essencial para apoiar o sistema imunológico, especialmente em uma certa idade.

Égalité Onlus continua instando os operadores de distribuição e comércio eletrônico em grande escala na Itália a organizar a entrega de compras gratuitas com prioridade em favor dos mais fracos. Uma petição e um questionário, para avaliar a eficácia do risco de segurança alimentar na atual emergência Covid-19.

Entregas ao domicílio, o fracasso do GDO na Itália

GDO é incapaz para satisfazer os pedidos de entrega ao domicílio. Sites bloqueados, pedidos em atraso há semanas. Despreparo absoluto na gestão de uma emergência que atinge, antes de mais nada:

- os grupos mais fracos de população. Ou seja, os deficientes, os idosos e os doentes, que não podem sair de casa por impossibilidade física e redução (ou suspensão) dos serviços de assistência social, bem como os gravíssimos riscos de complicações em caso de infecção,

- o pessoas em isolamento síndico domiciliário, cujos coabitantes estão, por sua vez, expostos a um maior risco de contágio e devem limitar ao mínimo as saídas de casa, para evitar a propagação da infecção.

1 de 3. Os únicos Acima de-65 na Itália representam 22,6% da população (Eurostat), mais 5,2% das pessoas com deficiência (Istat) e outras pessoas que sofrem de doenças crônicas graves que não devem sair de casa para evitar complicações, mesmo letais em caso de contágio. O desinteresse da grande distribuição e dos operadores de Loja virtual na Itália, afeta, portanto, pelo menos um consumidor em cada 3.

Paralisia verdadeira está evidentemente no topo dos grandes grupos de distribuição. Que não ativaram a sinapse necessária para montar as unidades de crise necessárias, para enfrentar uma emergência nacional de comida segurança que requer imediatamente:

  • linhas de comunicação dedicadas para deficientes, imunossuprimidos e maiores de 65 anos. Nos sites mas também através de 'números gratuitos', tendo em conta a falta de 'digitalização',
  • trabalhadores para armazém e entregas. Poder confiar, entre outras coisas, a funcionários de empresas e estabelecimentos públicos obrigados a lockdown do decreto 11.3.20 (cd decreto #FiqueemCasa),
  • equipes voluntárias, a recrutar para entregas ao domicílio. Com o auxílio de Entidades do Terceiro Setor, mas também por meio de cartazes a serem afixados nos pontos de venda.

Responsabilidade social que o patrão de grande distribuição eLoja virtual muitas vezes declamar que é confirmado ser, como já suspeitava, uma mera operação de greenwashing. E mesmo as palavras, nesta situação, são zero.

# Égalité, a petição e o questionário

igualdade A Onlus abordou um apelar aos líderes da distribuição em larga escala e Loja virtual na Itália, para obter entrega gratuita e prioridade para deficientes, Acima de-65 e imunossuprimidos. No entanto, sem receber qualquer feedback, fora do Carrefour e Giosto.

A petição - que convidamos a todos a subscreverem e promoverem, para apoiar o apelo partilhado de apoio aos consumidores mais vulneráveis ​​- encontra-se em este link.

O questionário - que também pedimos que preencha, seguindo este link - foi elaborado pelo nosso grupo de pesquisa. Com o objetivo de avaliar o possível impacto da emergência Covid-19 na comida segurança das camadas mais fracas da população. Também confiamos em sua ajuda para ajudar os idosos e deficientes a completá-lo.

Marta Chamuscado

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes