HomeProgressoTransporte e bem-estar animal, 5 pareceres da EFSA para definir o novo ...

Transporte e bem-estar animal, 5 pareceres da EFSA para definir as novas regras da UE

A EFSA de 7.9.22 (Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos) publicou cinco pareceres científicos sobre as condições necessárias para garantir o bem-estar dos animais durante o seu transporte, tendo em conta as novas regras da UE.

A sustentabilidade da pecuária não pode ser dissociada de maiores espaços para os animais durante seus deslocamentos, controle e redução das temperaturas máximas, limites à duração das viagens.

1) Bem-estar animal na UE. Cenário

padrão vigentes na UE sobre o bem-estar animal - além de não serem adequadamente aplicadas e controladas em alguns Estados Membros - ainda apresentam muitas deficiências, estigmatizadas em diversos atos das instituições competentes:

  • em 14.11.18, o Tribunal de Contas Europeu detectou atrasos generalizados e problemas críticos na aplicação das regras sobre o bem-estar dos animais na exploração, durante o transporte e no matadouro, (1)
  • em 31.3.21 a Comissão Europeia, com alguns anos de atraso em comparação com os compromissos anteriores, reconheceu a necessidade de rever a estratégia da UE em matéria de bem-estar animal, (2)
  • em 9.6.20/XNUMX/XNUMX o Parlamento Europeu criou uma Comissão especial, ANIT (Comissão de inquérito sobre o transporte de animais), para investigar as violações na aplicação do direito da UE em matéria de proteção dos animais durante o transporte e operações conexas,
  • em 20.1.22, o Parlamento Europeu aprovou uma recomendação apelando à introdução de regras claras e objectivos mensuráveis ​​para garantir a aplicação uniforme das regras da UE, incluindo a utilização de indicadores inovadores de bem-estar animal. (3)

2) Bem-estar animal e transporte de animais

Bem estar animal - elemento chave da estratégia Farm to Fork, por sua vez parte do Acordo Verde Europeu - não pode esperar mais. Também com o objetivo de salvaguardar a saúde humana e o meio ambiente ao mesmo tempo (Uma saúde). (4) Assim, a Comissão Europeia deu finalmente início à revisão de:

  • directiva relativa à protecção dos animais criados para fins agro-pecuários (directiva 98/58/CE),
  • quatro diretivas que estabelecem padrões mínimos para a proteção de galinhas poedeiras, frangos de corte, suínos e bezerros (dir. 1999/74 / CE, 2007/43 / CE, 2008/120 / CE, 2008/119 / CE),
  • regulamentos sobre a proteção de animais durante o transporte e no momento do abate (EU reg. 1/2005, 1099/2009).

3) Consulta pública da UE

As 59.281 contribuições recolhidos na sequência da consulta pública da UE sobre o bem-estar dos animais, concluída em 21.1.22, (5) também destacou a necessidade sentida de reformar as regras sobre o transporte de animais:

  • 95% dos participantes se declararam a favor da definição de tempos máximos de viagem,
  • 94% pediram banimentos exportar para países terceiros de animais vivos para abate, bem como o transporte de vitelos não desmamados e outros animais vulneráveis. (6)

Mais geralmente, 92% dos participantes consideram as atuais regras da UE sobre bem-estar animal inadequada para assegurar uma protecção adequada e uniforme de todas as espécies animais. Além disso, uma reforma estrutural também foi anunciada em voz alta, com 1,4 milhão de assinaturas em apoio à iniciativa de cidadania europeia para a eliminação das gaiolas nas fazendas (Termine a idade da gaiola) (7)

4) Transporte e bem-estar animal, recomendações da EFSA

'Boas práticas para o bem-estar dos animais não só reduz o sofrimento desnecessário, mas também contribui para tornar os animais mais saudáveis. É um elemento-chave para a segurança da cadeia de abastecimento alimentar, tendo em conta as ligações estreitas entre o bem-estar dos animais, a sua saúde e as doenças transmitidas por alimentos, em consonância com o princípio da Saúde Única em que a «EFSA se inspira. ' (Guilhem de Seze, AESA)

As recomendações da EFSA aspiram a supervisionar o bem-estar animal em viagens curtas (<8 horas), viagens longas (>8 horas) e viagens muito longas (exigindo descarga e/ou alimentação dos animais). Em relação às diferentes hipóteses de:

  • animais em estado selvagem. Pequenos ruminantes (ovinos e caprinos), cavalos, bovinos, suínos,
  • animais em recipientes. Espécies de aves de capoeira (frangos, galinhas poedeiras, perus, patos, gansos, codornizes) e coelhos.

4.1) Medidas baseadas em animais, ABM

O painel AHAW (Saúde Animal e Bem-Estar Animal) da EFSA indica medidas específicas (Medidas baseadas em animais, ABMs) a serem adotados para reduzir os impactos negativos do transporte no bem-estar animal. Referindo-se, para todas as categorias de animais, aos seguintes critérios:

  • garantir mais espaço para os animais, temperaturas mais baixas e encurtar a duração das viagens, em comparação com as práticas atuais,
  • definir adequadamente o conceito de aptidão dos animais para transporte, incluindo diretrizes e limites baseados em medidas específicas,
  • fornecer treinamento adequado para o pessoal envolvido nas operações,
  • centrar a investigação científica no desenvolvimento de sistemas de manutenção das condições microclimáticas dos veículos.

5) EFSA, recomendações para o bem-estar animal

Os ABMs são então recusados, com base em estudos científicos existentes, em relação ao transporte das categorias individuais de animais. No que diz respeito especificamente a:

  • preparação para o transporte, carga, descarga e manuseamento de animais em todas as fases da viagem, incluindo no destino,
  • meios de transporte rodoviário, marítimo, ferroviário e aéreo,
  • condições no interior do meio de transporte (espaço, condições microclimáticas, rega e alimentação),
  • duração da viagem e suas circunstâncias, descanso dos animais em veículos estacionados e/ou descarregando,
  • condições das áreas onde os animais são agrupados e/ou descarregados durante as viagens.

Diferentes limites quantitativos, consoante a categoria a que pertencem, são definidas as temperaturas a manter no interior dos veículos e os espaços reservados a cada animal. Também levado em conta a influência dos tempos de transporte na fome, sede e fadiga.

5.1) Pequenos ruminantes (ovinos e caprinos)

A temperatura não deve exceder 28 ° C para ovelhas com lã, 32 ° C para ovelhas tosquiadas, para evitar o início de estresse térmico severo quando a temperatura crítica superior (UCT) for excedida.

Espaço reservados aos animais durante o transporte devem ser suficientes para lhes permitir regular a sua postura e equilíbrio, de acordo com um método científico validado.

A duração da viagem deve considerar a necessidade de regar, alimentar e permitir que os ovinos e caprinos descansem após 12 horas de transporte. E a dificuldade de atender a essas necessidades em um veículo estacionado. (8)

5.2) Cavalos

Os equinos devem ser transportados a temperaturas não superiores a 25°C. A largura e o comprimento das caixas individuais devem ser pelo menos 40 cm superiores à largura do ponto mais largo e ao comprimento do cavalo. Os cavalos devem poder abaixar a cabeça abaixo da altura da cernelha para desobstruir as vias aéreas, portanto, as cordas não devem ser cruzadas ou muito curtas (<60 cm).

A densidade para cavalos sem manuseamento, transportados em pequenos grupos desde que sejam compatíveis, deve ser tal que permita aos animais a liberdade de movimento (<200 kg/m2). A duração da viagem deve considerar a possível ocorrência de distúrbios clínicos respiratórios (após 10-14 horas de viagem) e gastroentéricos (ex. ulceração gástrica), após 12 horas em cavalos não alimentados.

Biomarcadores fisiológicos desidratação foram relatados após apenas 1-3 horas de transporte, indicadores comportamentais de sede após 3 horas, biomarcadores indicativos de fome prolongada após 12 horas de transporte. Os cavalos devem, portanto, receber ração e água durante o transporte ad libitum ou pelo menos em intervalos regulares (<4 horas) por pelo menos 30 minutos no veículo estacionado. (9)

5.3) Gado

Gado, como os equídeos, devem ser transportados a temperaturas não superiores a 25 ° C. O espaço durante o transporte deve ser suficiente para permitir regular a postura e o equilíbrio. O espaço mínimo deve ser calculado usando um método científico validado.

Mesmo veículos estão equipados com bebedouros, o gado tem sede após 9 horas de viagem e fome após 12 horas. Dadas as dificuldades práticas na alimentação do gado durante o transporte, é necessário descarregar os animais do veículo para permitir que eles bebam, se alimentem e descansem em locais adequados. (10)

5.4) Porcos

O limite superior da zona de conforto térmico e a temperatura crítica superior (temperatura crítica superior UCT) são estimados respectivamente em:

  • 20 ° C, 22 ° C temperatura seca para porcas,
  • 22°C, 25°C para suínos em terminação,
  • 25 ° C e 30 ° C para desmamados (30 kg. Aprox.).

Os porcos devem ter espaço suficiente para permitir que todos os animais assumam a posição semi-deitada.

O rápido pré-transporte deve ser adaptado à categoria dos suínos, à duração da viagem, ao destino (abate ou engorda/criação). Dentro de 10 horas (incluindo tempo de carregamento) para terminadores, menos para outras categorias de suínos.

Os bebedouros em veículos e pausas quando o veículo está parado não são suficientes para aliviar a sede (após 8 horas), a fome (após 12) e a necessidade de descanso dos animais durante o transporte. (11)

5.5) Pintos

La zona de conforto a respeitar os pintinhos é de 30-35 ° C e é essencial para evitar o estresse pelo frio. A suspensão da alimentação causa fome prolongada (em 90-100% dos casos) e sede além de 48 horas, medida desde a eclosão dos primeiros filhotes até que o último tenha acesso a ração e água. E este é o limite a não ser ultrapassado.

A solução identificada como garantia de bem-estar animal durante o transporte, nesta fase da cadeia de suprimentos avícola, é transportar ovos fertilizados em temperaturas de incubadora (inferiores às exigidas para 'pintos de um dia'). Para permitir que eles eclodam na fazenda de chegada. (12)

5.6) Aves

Aves representa 97% do comércio intracomunitário total de animais vivos. Mais de 1,4 mil milhões de peças de vestuário/ano foram transportadas entre Estados-Membros (2018, 2019), quase exclusivamente por via rodoviária (99%). Metade do transporte de espécies de aves dura menos de 4 horas.

As aves de capoeira deve viajar para um AET (Temperatura Equivalente Aparente, combinação de temperatura e umidade relativa), para evitar o risco de estresse térmico. As galinhas em fim de vida, que tendem a ser pobres em gordura e penas, também devem ser protegidas do frio.

Fome prolongada, com desintegração das células intestinais, é registrado após 12 horas da suspensão da ração. E este é o tempo máximo de transporte, a ser reduzido para 4 horas em caso de AET na zona de alerta (40-65). Também é necessário evitar a suspensão da ração antes do transporte.

aves domésticas devem ser transportados na posição vertical, com as asas ao longo do corpo, sem serem tombados ou balançados, arremessados ​​ou derrubados durante a captura e carregamento. O espaço deve ser adequado para permitir que todos se sentem e mudem de posição sem sobreposição. A altura do recipiente deve ser tal que o pente ou a cabeça não toquem o teto quando as aves se sentam com a cabeça e o pescoço em posição natural ou quando mudam de posição. (11)

5.7) Coelhos

Até coelhos devem viajar em sua zona de segurança (índice de temperatura-umidade, THI <27,8). A altura mínima do contentor deve ser de 35 cm para coelhos de abate (<3 kg), 40 cm para coelhos reprodutores (4,5-6 kg), para que possam sentar-se com as orelhas esticadas numa posição confortável. A duração das viagens não deve exceder 12 horas.

Atenção deve ser dedicada à adequação destes animais ao transporte, o que não ocorre em casos de sinais evidentes de doença, caquexia, claudicação grave, coelhas no último terço da gestação, coelhas após o parto, coelhas não desmamadas, feridas abertas, prolapsos , abscessos, fraturas, luxações e cabelos molhados em baixa temperatura efetiva.

Os coelhos devem ser retirados das gaiolas individualmente, segurando-os e levantando-os pelo pescoço com uma mão, com ou sem apoio do corpo com a outra. Uma vez fora da gaiola, o animal deve ser sempre apoiado com a outra mão. (12)

6) Transporte de animais e resistência antimicrobiana

Pesquisa em bem-estar animal deve também considerar prioritariamente a necessidade de reduzir o uso de antibióticos, para contrariar aresistência a antibióticos em animais e humanos. Aguarda-se agora a publicação do parecer científico da EFSA sobre a transmissão de resistência antimicrobiana e agentes zoonóticos durante o transporte de animais. (13) Com particular atenção a:

  • fatores de risco mais significativos que contribuem para a propagação de zoonoses transmitidas por alimentos durante as viagens,
  • bactérias resistentes a antimicrobianos e genes de resistência antimicrobiana, entre animais produtores de alimentos,
  • medidas de prevenção e controle a serem implementadas para reduzir sua probabilidade de propagação,
  • dados necessários para a análise das correlações entre os fatores de risco identificados e a disseminação de zoonoses de origem alimentar, bactérias resistentes a antimicrobianos e genes de resistência antimicrobiana.

Entre os elementos úteis para reduzir o uso de medicamentos veterinários, na opinião do autor, deve-se considerar o uso de ração funcional à base de algas, microalgas e taninos (Algatan). Estas substâncias - também disponíveis em soluções fluidas, para serem diluídas em águas de bebedouros - demonstraram, de facto, a capacidade de fortalecer o microbioma dos animais, aumentar a sua resistência e melhorar as condições de saúde (14).

7) Perspectivas

A reforma é necessária práticas na pecuária, para melhor desenvolver o potencial do setor e contribuir para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODS). E o bem-estar animal, conforme destacado pela própria FAO (2019), é um fator crucial.

A Comissão Europeia adoptará a sua proposta de reforma até ao final de 2023, antes tarde do que nunca, com base nos pareceres científicos elaborados pela EFSA, na esperança de que a protecção do bem-estar dos animais se possa materializar na prática, tanto na pecuária da UE como naquilo que alimenta as importações de alimentos de origem animal no Velho Continente.

Dario Dongo e Giulia Torre

Note

(1) Tribunal de Contas Europeu. Bem-estar animal na UE: colmatar a lacuna entre objetivos ambiciosos e implementação prática. Relatório Especial 31/2018

(2) Comissão Europeia (2021). Documento de trabalho dos funcionários da Comissão resumo executivo da avaliação da Estratégia da União Europeia para a Proteção e Bem-Estar dos Animais 2012-2015 

(3) Parlamento Europeu. Recomendação 20.1.22 na sequência da análise de alegadas infrações e má administração na aplicação do direito da UE em matéria de proteção dos animais durante o transporte dentro e fora da União. https://www.europarl.europa.eu/doceo/document/TA-9-2022-0015_IT.pdf (P9_TA (2022) 0015)

(4) Dário Dongo. Uma Saúde. Saúde e bem-estar animal, humano e planetário. O que podemos fazer? GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 2.6.21

(5) Marta Strinati, Dario Dongo. Bem-estar animal, aberto à consulta pública para alterar a legislação da UE. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 20.10.21

(6) Comissão Europeia. Relatório de síntese factual da consulta pública em linha de apoio à verificação de qualidade e revisão da legislação da UE em matéria de bem-estar dos animais. Ref. Ares (2022) 2359311. 30.3.22

(7) Marta Cantado. End the Cage Age, 1,4 milhões de assinaturas entregues à Comissão Europeia. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 6.10.20

(8) AESA. Bem-estar de pequenos ruminantes durante o transporte. Jornal EFSA 2022; 20 (9): 7404

(9) AESA. Bem-estar do equino durante o transporte. Jornal EFSA 2022; 20 (9): 7444.

(10) AESA. Bem-estar do gado durante o transporte. Jornal EFSA 2022; 20 (9): 7442.

(11) AESA. Bem-estar dos suínos durante o transporte. Jornal EFSA 2022; 20 (9): 7445

(12) AESA. Bem-estar de aves domésticas e coelhos transportados em contentores. Jornal EFSA 2022; 20 (9): 7441

(13) Comissão Europeia. Pedidos de parecer científico sobre a protecção dos animais durante o transporte. https://open.efsa.europa.eu/study-inventory/EFSA-Q-2020-00481 SANTE / G2 / DS / sc (2020) 3114851, 4.6.20

(14) Dario Dongo, Andrea Adelmo della Penna. Criação de animais, algas e microalgas para evitar o uso de antibióticos. Algatan. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 9.9.20

(15) Dario Dongo, Marina De Nobili. Pecuária, FAO propõe 5 áreas de intervenção para reduzir emissões de gases com efeito de estufa. GIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 29.8.20

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »