HomeProgressoJovens no centro do Dia Mundial das Abelhas

Jovens no centro do Dia Mundial das Abelhas

O Dia Mundial das Abelhas, 20 de maio de 2024, é dedicado aos jovens precisamente porque a sua ajuda e cooperação mútua são preciosas para a proteção destes importantes insetos polinizadores. A FAO publicou um guia para promover o envolvimento dos jovens, e não só, nestas iniciativas. (1)

1) Os problemas dos polinizadores

1.1) Proteção dos polinizadores

Dia Mundial da Abelha foi instituída como medida de proteção desses importantes insetos polinizadores (gênero Apis), salvaguardando a biodiversidade e a produção de alimentos. As abelhas melíferas (ou seja, Apis mellifera, Am ligustica, Am carnica, Am scutellata) são as espécies de maior interesse devido ao seu potencial económico, mas outras espécies também devem ser adequadamente protegidas, juntamente com os insectos não Apis. (2)

Numerosas espécies estão em risco a nível nacional e europeu, sendo necessárias medidas para mitigar os riscos e promover a conservação das espécies em todos os ambientes, incluindo os urbanos.

A Comissão liderado por Ursula von der Leyen, ignorou os repetidos pedidos dos cidadãos europeus e limitou-se a promover e rever iniciativas já desenvolvidas sem resultados particularmente tangíveis. Tanto é verdade que o Parlamento Europeu também apresentou uma resolução para encorajar a Comissão a ser mais concreta deste ponto de vista. (3)

1.2) Autorizações inapropriadas de agrotóxicos

A ausência de implementações políticas adequadas é acompanhada de contradições como a falta de proibições de pesticidas e outros produtos prejudiciais às abelhas, bem como autorizações contínuas que não levam em conta os efeitos adversos que estes produtos podem ter sobre estes insetos.

Cipermetrina é um exemplo emblemático. A associação Pesticide Action Network (PAN) Europe teve de se forçar a interpor o recurso contra a renovação da autorização junto do Tribunal de Justiça Europeu (após uma derrota inicial) (4). A PAN Europa contesta a má avaliação do parecer da EFSA sobre a cipermetrina, que identificou várias lacunas nos dados disponíveis, e algumas preocupações para as abelhas, a presença de metabolitos no pólen e no néctar, e problemas de saúde para os consumidores, identificados ainda mais recentemente com potencial para riscos agudos e crônicos. (5,6)

Os principais estudos sobre os efeitos dos pesticidas destinam-se ao género Apis, enquanto os efeitos sobre as espécies não Apis ainda estão na sua infância. No entanto, os efeitos observados para as abelhas melíferas podem, na verdade, traduzir-se de forma muito semelhante também para outras espécies de insectos, especialmente no que diz respeito aos efeitos da interacção com as plantas, em combinação com o contacto de misturas de diferentes formulações, e a sinergia devida a outros factores de stress. (por exemplo, alterações climáticas, parasitas, deficiências nutricionais). (7)

DIA MUNDIAL DA ABELHA 2024 FAO
Figura 1. Exposição a pesticidas de diferentes fontes de pólen (ou seja, culturas, espécies herbáceas e arbóreas) em espécies não Apis (fonte: Raine & Rundlöf, 2024)

1.3) Consequências das alterações climáticas

Um estudo desenvolveu vários modelos para avaliar os efeitos futuros das alterações climáticas em vários polinizadores cruciais, incluindo as abelhas. (8) Os resultados não são reconfortantes e prevê-se que 65% das abelhas (de um total de 1.365 espécies) verão uma forte redução na distribuição média em 2070. Na Europa esta redução é estimada em 56%, enquanto em alguns casos, como na América do Norte, a distribuição pode até aumentar, devido aos restantes 35% das abelhas analisadas. Obviamente, diversas incertezas devem ser levadas em conta, como a impossibilidade de prever futuras mudanças climáticas e a adoção de inovações capazes de neutralizar tais mudanças.

Alteração de habitat, considerado o principal fator de influência devido ao aumento das temperaturas, pode ser tanto positivo quanto negativo. Por exemplo, cenários anteriormente inóspitos poderiam tornar-se adequados para a sobrevivência de algumas abelhas, mas os ciclos biológicos das plantas poderiam ser comprometidos e não seguir os das próprias abelhas, limitando a disponibilidade de pólen e néctar. Raciocínio semelhante pode ser realizado para patógenos e doenças.

FIG.2 PREVISÃO DA FAO PARA O DIA MUNDIAL DA ABELHA

PREVISÃO DO DIA MUNDIAL DA ABELHA IMG3
Figuras 2 e 3. Comparação da adequação climática de Apis mellifera na América do Norte, África e Ásia no presente e no futuro (2070). Cores claras indicam maior adequação climática, enquanto cores mais escuras indicam menor adequação (fonte: Rahimi et al., 2024)

2) Jovens para polinizadores

Jovens são considerados os futuros guardiões das abelhas e da apicultura, e por esta razão a FAO pretende sensibilizar este segmento da população, e envolvê-los em iniciativas educativas e eventos diversos, nos quais decisores políticos, professores, apicultores e muitos outros também podem participar interessados ​​no tema abelhas e polinizadores.

Seu envolvimento pode ser promovido de diversas maneiras:

– Promover o Dia Mundial das Abelhas nas cidades ou vilas, mesmo depois do dia 20 de maio, sendo possível envolver instituições ou empresas locais para a realização de atividades de comunicação deste dia;

– Promover iniciativas em jardins de infância e escolas, para a realização de atividades letivas e práticas de defesa dos polinizadores e de respeito pela saúde e pelo ambiente;

– Provar diferentes tipos de mel – obtidos de acordo com a equidade, como afirma o GHO, Organização Global do Mel – compreender o papel que as abelhas melíferas desempenham diretamente na produção de alimentos;

– Organização de eventos específicos de forma física ou remota, através de discussões e workshops interativos;

– Utilizar parques e jardins para indicar a importância que os polinizadores têm para a sua presença e sobrevivência.

3) Estratégias para ajudar as abelhas

Existem 5 estratégias que pode ser implementado pelos jovens (ou não) para ajudar as abelhas e o setor apícola a permanecerem vivos e prósperos. Eles são:

1) Plante jardins atraentes para as abelhas, usando espécies nativas atraentes, juntamente com culturas que possam fornecer nutrição às abelhas, e tomando cuidado para ter um período de floração suficiente ao longo do ano;

2) Criar ambientes à prova de abelhas, construindo ou colocando casas ou abrigos para abelhas solitárias, ou criando sebes ou deixando áreas de terreno descoberto para as abelhas que ali nidificam;

3) Apoiar os apicultores locais, comprando-lhes mel e outros produtos e aprendendo boas práticas apícolas e a própria apicultura;

4) Evitar a utilização de substâncias químicas potencialmente nocivas às abelhas, reduzindo ou alterando pesticidas e fertilizantes e optando por produtos orgânicos e sustentáveis;

5) Conhecer as espécies de abelhas, explorando e descobrindo as abelhas presentes na área, e entendendo como elas vivem e sobrevivem no meio ambiente.

4) Conclusões

As abelhas e vários polinizadores ainda estão sujeitos a vários riscos para a sua segurança e sobrevivência. Apesar disso, soluções para melhorar estas adversidades ainda não parecem ser a prioridade da Comissão.

Cabe ao cidadão comum, e às gerações futuras, participar ativamente das ações de proteção para evitar que o tempo e as ameaças externas provoquem uma redução drástica que levaria a consequências irreversíveis para a natureza e todos os seres vivos.

Dario Dongo and Andrea Adelmo Della Penna

Note

(1) FAO (2024) Abelha-se com os jovens – Envolva-se. Dia Mundial das Abelhas – 20 de maio de 2024. https://openknowledge.fao.org/handle/20.500.14283/cd0325en

(2) Dario Dongo, Andrea Adelmo Della Penna. Dia Mundial da Abelha, dia mundial da abelha. Nenhuma política qualificada. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 20.5.23

(3) Iniciativa Revista sobre Polinizadores – um novo acordo para os polinizadores. Resolução do Parlamento Europeu, de 23 de novembro de 2023, sobre a Iniciativa Revista para os Polinizadores – Um novo acordo para os polinizadores (2023/2720(RSP)). https://www.europarl.europa.eu/doceo/document/TA-9-2023-0441_IT.pdf

(4)Alessandra Mei. Pare o inseticida cipermetrina. Pan Europe recorre ao Tribunal de Justiça. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 8.5.24

PAN Europa. Primeiro caso contra licença de pesticidas no mais alto tribunal da UE. 7.5.24. https://www.pan-europe.info/blog/first-ever-case-against-pesticide-permit-highest-eu-court

(5) EFSA (2018) Revisão pelos pares da avaliação do risco de pesticidas da substância ativa cipermetrina. Jornal da EFSA 16(8):5402, https://doi.org/10.2903/j.efsa.2018.5402

(6) EFSA (2023) Revisão dos limites máximos de resíduos existentes para cipermetrinas, em conformidade com o artigo 12.o do Regulamento (CE) n.o 396/2005. Jornal da EFSA 21(3):7800, https://doi.org/10.2903/j.efsa.2023.7800

(7) Raine NE & Rundlöf M. (2024) Exposição e efeitos de pesticidas em abelhas não Apis. Revisão Anual de Entomologia 69:551-576, https://doi.org/10.1146/annurev-ento-040323-020625

(8) Rahimi E. et al. (2024) Tendências globais na adequação climática das abelhas: altos e baixos em um mundo em aquecimento. Insetos 15(2):127, https://doi.org/10.3390/insects15020127

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Andrea Adelmo Della Penna
+ postagens

Graduado em Tecnologias e Biotecnologias de Alimentos, tecnólogo de alimentos qualificado, segue a área de pesquisa e desenvolvimento. Com particular atenção aos projetos de investigação europeus (no Horizonte 2020, PRIMA) onde participa a divisão FARE da WIISE Srl, uma empresa de benefícios.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »