HomeProgressoO Futuro da Segurança Alimentar, o relatório FAO 2022

O Futuro da Segurança Alimentar, o relatório FAO 2022

As questões emergentes mais importantes no setor de alimentos e agricultura e suas implicações para a segurança alimentar são destacadas pelo relatório da FAO 2022 'Pensando no futuro da segurança alimentar - Um relatório prospectivo'. De novos alimentos, como insetos comestíveis, a novas tecnologias, como blockchain, os progressos devem ser geridos com vista a garantir segurança alimentar e segurança alimentar, é a premissa. (1)

Segundo as Nações Unidas, mais de 800 milhões de pessoas passam fome e a maioria vive em países em desenvolvimento. Além disso, 151 milhões de crianças menores de 5 anos sofrem de nanismo (baixa altura para a idade), 51 milhões sofrem de baixo peso devido à altura e 38 milhões estão acima do peso. Isso sugere a necessidade de mudar os sistemas agroalimentares globais para alcançar o desenvolvimento sustentável, onde a segurança alimentar é parte fundamental.

O relatório da FAO abrange oito grandes categorias de motorista e tendências: mudanças climáticas, novas fontes de alimentos e sistemas de produção, número crescente de fazendas e hortas em nossas cidades, mudança de comportamento do consumidor, economia circular, ciência do microbioma, inovação tecnológica e científica e fraude alimentar.

1) Mudanças climáticas

Das Alterações Climáticas teve um impacto em 80% da superfície da Terra. O metano, gás produzido em grande quantidade pela pecuária, é um dos principais responsáveis ​​pelo aumento da temperatura. Em 2021, com a assinatura do Compromisso Global de Metano 105 países se comprometeram a reduzir as emissões de metano e investir em tecnologias para uma medição mais eficaz das emissões.

Mesmo a luta contra o desperdício de alimentos é importante para reduzir os efeitos das mudanças climáticas. (2) De acordo com um relatório da FAO de 2019, 14% dos alimentos produzidos são descartados antes mesmo de chegar à distribuição em larga escala devido a problemas de contaminação. Uma das estratégias para reduzir o desperdício de alimentos é fornecer informações claras e corretas aos consumidores sobre o prazo de validade indicado nas diretrizes da EFSA (3).

O aumento da temperatura tem consequências diretas na segurança alimentar (segurança alimentar e segurança alimentar). A redução da água disponível, de fato, diminui a disponibilidade de alimentos e aumenta o risco de contaminação biológica (4).

Das Alterações Climáticas tem um impacto nos sistemas alimentares globais que implica uma resposta unificada aos desafios crescentes, com uma abordagem integrada e transversal, que inclui todas as disciplinas envolvidas nos sistemas agroalimentares.

2) Comportamento/Preferências do Consumidor

Hábitos de consumo mudaram, principalmente em função do acesso à internet e principalmente após a pandemia. Muitos consumidores buscam produtos saudáveis, sustentáveis, que garantam responsabilidade social, mas também condicionados pelas modas.

Os recursos online podem ser uma ferramenta muito útil para ajudar os consumidores a fazer escolhas mais informadas, aprendendo a ler corretamente os rótulos e conhecendo melhor os processos de produção. No entanto, também podem transmitir informações incorretas ou falsas, capazes de levar a dietas inadequadas, com os consequentes problemas de saúde causados ​​por insuficiência ou excesso de nutrientes. Um exemplo vem das tendências de consumo de nutracêuticos, que os consumidores buscam para melhorar sua saúde, e para muitos dos quais todos os riscos à saúde ainda não foram avaliados (5). Nesta era, basta um influenciador falar em uma “nova dieta maravilhosa” para mudar os hábitos de consumo de bilhões de pessoas ao redor do mundo, levando à compra de alimentos que podem causar diversos danos à saúde e que não são sustentáveis . . (6, 7)

Outro problema a resolver é da responsabilidade dos intermediários do sistema alimentar, por exemplo nas plataformas web di Loja virtual alimentação.

Eles são necessários amplos recursos e colaboração entre todos os atores da cadeia alimentar, marcos regulatórios adequados, estratégias de comunicação eficazes: promover a alfabetização midiática, fornecer conhecimento baseado em evidências adequadamente, orientar os espectadores a fontes confiáveis.

3) Novas fontes de alimentos e sistemas de produção de alimentos

Satisfazer a crescente demanda por alimentos, a produção global deverá aumentar em 2050% em relação à produção de 70 até o ano de 2009 (FAO, 2009).

Agricultura não é suficiente para atender a essa demanda, devido à necessidade de água e terra. Portanto, é imperativo incluir novas fontes de alimentos.

3.1) Insetos comestíveis, algas e medusas

Consumo de insetos, algas e medusas, tradicional em vários países, também está surgindo na Europa por seus benefícios nutricionais e de sustentabilidade. Desde 2021, a EFSA deu luz verde para alguns deles (8). Como já faz parte da cultura alimentar de muitos países, essa pode ser uma das opções mais viáveis ​​de curto prazo para obtenção de proteína (9), mas é preciso regular a produção, para evitar o risco de contaminação por agroquímicos presentes nas culturas em que crescem, ou alguns nitratos que podem estar presentes em algumas algas e ainda não existe regulamentação sobre os teores máximos de nitratos nas algas.

3.2) Alternativas à base de plantas

O uso de vegetais a confecção de alimentos que se assemelham aos de origem animal tem sido uma das técnicas mais utilizadas, a fim de reduzir os gases de efeito estufa. No entanto, alguns estudos indicam que esta dieta deve ser complementar e não substitutiva em termos de nutrientes, pois minerais e aminoácidos podem ser menos biodisponíveis: um aspecto a ser considerado especialmente em populações vulneráveis. Entre as vantagens desta alternativa está a redução do desperdício de alimentos, utilizando como matéria-prima os subprodutos de outros processamentos.

3.3) Produção de alimentos à base de células

Não existe terminologia harmonizada internacionalmente que indica este tipo de alimento ou o processo de produção, portanto, vários termos estão atualmente em uso: cultivado, baseado em células, livre de animais, sem abate, in vitro, cultivado, cultivado em laboratório, crueldade livre, agricultura celular, entre outros. Essas novas tecnologias visam produzir proteínas animais sem a necessidade de grandes áreas de terra, sem a produção de gases de efeito estufa e diminuindo o sofrimento animal.

Existem duas técnicas usado na agricultura celular: cultura de células que é realizada por meio de cultura de células obtidas de animais por meio de biópsias e fermentação de precisão usando microorganismos submetidos à modificação genética (10)

Em cultura de células, as linhagens celulares iniciais estão constantemente sob cultivo e por isso existe o risco de ocorrerem desvios genéticos ou epigenéticos (11). A inulina e o sorbitol são utilizados para o armazenamento das células (12), devendo ser verificado se não são incorporados no produto final em concentrações que possam causar risco à saúde.

Produção A carne à base de células pode ajudar a diminuir a emissão de gás metano produzido pela pecuária. Por outro lado, requer uma grande quantidade de energia, que produz uma grande quantidade de CO2.

4) Agricultura urbana

De acordo com a FAO, até 2050, dois terços da população mundial viverá em áreas urbanas. Um ponto importante na transformação dos sistemas agroalimentares é minimizar as distâncias para levar os alimentos até o consumidor, que por sua vez deve reduzir o desperdício, o consumo de energia e a produção de gases de efeito estufa para transporte, armazenamento, etc.. A agricultura urbana é uma técnica com muitos benefícios, pois pode ajudar a resfriar as cidades no verão, fornecer habitat para abelhas e outros polinizadores e reter as chuvas, reduzindo o risco de enchentes. A agricultura urbana também pode incluir produção de plantas não alimentares e pecuária, apicultura, aquicultura e criação de insetos.

Entre as vantagens existe a possibilidade de criação de jardins verticais, que requerem pequenos espaços, e o reaproveitamento da água. As desvantagens incluem o risco de contaminação química de vegetais ou animais de criação devido a metais pesados ​​encontrados em solos urbanos ou água, bem como o risco microbiológico do uso de água não potável para irrigação ou por falta de boas práticas de higiene.

Agricultura urbana pode ser uma ferramenta útil para melhorar o acesso a alimentos saudáveis ​​e sustentáveis, mas é necessário desenvolver marcos regulatórios adequados e estratégias para realizar essa técnica de forma segura e sustentável.

5) Economia circular e reciclagem de plástico

A maioria plástico utilizado na indústria alimentícia é usado apenas uma vez e não tem descarte adequado, principalmente quando o acondicionamento é composto por diferentes materiais que dificultam a diferenciação. Estima-se que em 2015 apenas 9% das cerca de 6300 toneladas de resíduos plásticos gerados globalmente foram reciclados, com forte impacto ambiental e na saúde (13, 14, 15, 16).

a abordagem de uma economia circular para embalagens plásticas de alimentos é baseada em redesenhar-reduzir-reutilizar-reciclar mantendo os recursos em uso o maior tempo possível para obter o máximo valor e minimizar seu impacto.

É crítico São estabelecidos marcos regulatórios adequados que levam em conta a necessidade de destinar recursos financeiros, logísticos, de pesquisa e tecnológicos. Sobre o assunto, ele espera que os países signatários da resolução Acabar com a poluição plástica: Rumo a um instrumento internacional juridicamente vinculativo (17) apresentam suas estratégias para enfrentar esse desafio.

6) Microbioma, uma perspectiva de segurança alimentar

O microbioma é uma rede complexa de microrganismos (bactérias, vírus, fungos, protozoários) que vivem em simbiose com organismos (humanos, solo, plantas, água, animais) (18). Vários estudos mostram a correlação entre o microbioma intestinal, nutrição e estado de saúde (19,20).

Até o microbioma não humano afeta a saúde dos ecossistemas e, portanto, também a segurança e a qualidade dos alimentos. A compreensão holística das interações microbioma-ambiente-hospedeiro dará a possibilidade de compreender melhor os riscos à saúde, avaliar melhor os perigos microbiológicos e químicos e permitir estabelecer uma nova legislação sobre os limites máximos de medicamentos veterinários e pesticidas, aditivos alimentares, etc..

A organização mundial da saúde (OMS) no Plano de Ação Global (GAP) sobre RAM (Resistência Antimicrobiana) (OMS, 2015) reconhece o papel dos sistemas agroalimentares na luta contra a resistência antimicrobiana.

7) Inovações tecnológicas

Progresso tecnologias estão mudando os sistemas agroalimentares, fornecendo melhores ferramentas para o processamento, a acondicionamento, rastreabilidade, detecção de contaminantes, etc.. No entanto, todos os desafios e oportunidades dessas tecnologias ainda não foram totalmente compreendidos.

7.1) Embalagem

Embalagem ativa e embalagem inteligente (21) são dois termos que surgiram com os avanços na indústria alimentícia para reduzir o desperdício por meio do prolongamento da vida útil dos produtos. Muitas dessas embalagens usam nanomateriais para melhorar a resistência mecânica e as propriedades de barreira, ou por seu potencial de sensibilidade em embalagens ativas para detecção de patógenos, mas podem ser prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente (22, 23).

7.2) Impressão 3D de produtos alimentícios

E um outro tecnologias em desenvolvimento, que geralmente consiste na utilização da extrusão de uma formulação alimentar: chocolate, amido de milho, açúcar, farinha de insetos, algas marinhas, frutas, etc.. para formar um padrão predeterminado de alimentos.

Esta tecnologia começou a se desenvolver nos últimos 15 anos, mas ainda não passou por uma avaliação de risco.

7.3) Blockchain, Internet das Coisas (IoT), Big Data, Inteligência artificial (IA), automação

Estes são as novas tecnologias que vão ajudar a prevenir fraudes, melhorar a rastreabilidade, combater o uso de pesticidas e outras substâncias nocivas, prever o risco de contaminação microbiológica ou química nas culturas, bem como prevenir a exploração dos trabalhadores (24).

As inovações as tecnologias são fundamentais na transformação do sistema agroalimentar, permitirão acelerar o comércio de mercadorias e garantir a segurança alimentar. E, no entanto, na ausência de regras adequadas sobre o governo de direitos de dados, o política de privacidade, etc.. pode levar ao uso indevido desses dados ou a uma competição desigual entre países desenvolvidos e em desenvolvimento.

8) Fraude alimentar

Não existe uma definição única para fraude alimentar (25), que pode ser classificada como atividades enganosas realizadas com o objetivo de fraudar o sistema para obter vantagem econômica. Eles são um dos principais problemas que surgem nos sistemas agroalimentares onde todos os atores, governos, indústria e consumidores são afetados.

Apesar de os avanços tecnológicos mencionados acima não há solução fácil para combater este problema. O relatório da FAO descreve cinco estratégias regulatórias das quais os países podem se beneficiar para combater a fraude alimentar e aumentar a confiança em seus sistemas alimentares:

- Marco regulatório para qualidade e segurança alimentar
- Legislação de defesa do consumidor
- Leis contratuais
- Marco regulatório criminal
- Colaboração público-privada.

É crítico na aplicação de estratégias de combate à fraude alimentar, cooperação estratégica em todos os níveis de governo ao longo da cadeia alimentar.

conclusões

Sistemas agroalimentares devem caminhar para a resiliência, inclusão e sustentabilidade com o uso da ciência, tecnologia e inovação com a participação de todos os atores da cadeia alimentar, governos, distribuição em grande escala, agricultores, investimentos públicos e privados e consumidores. Só assim será possível enfrentar a crise climática e alimentar.

Isis Consuelo Sanlúcar Chirinos

Note

(1) Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO. Pensando no Futuro da Segurança Alimentar, um relatório prospectivo. 2022 https://www.fao.org/3/cb8667en/cb8667en.pdf

(2) Dário Dongo, Marta chamuscado, Desperdício alimentar, compreender e agir. Webinar 16.11.20 pela EIT Food. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 12.11.2020/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/consum-attori/spreco-alimentare-comprendere-e-agire-webinar-16-11-20-di-eit-food

(3) Dário Dongo, Prazo de validade e TMC, orientações da EFSA para a redução do desperdício alimentar. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 20.12.20/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/etichette/data-di-scadenza-e-tmc-linee-guida-efsa-per-la-riduzione-degli-sprechi-alimentari

(4) Dario Dongo, Giulia Caddeo. Mudanças climáticas, o relatório do IPCC para as nações unidas. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 12.08.2019/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/idee/cambiamento-climatico-il-rapporto-ipcc-per-le-nazioni-unite

(5) Dario Dongo, Andrea Adelmo Della Penna. Nutracêuticos. Um, nenhum e cem mil. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 30/07/20, https://www.greatitalianfoodtrade.it/salute/nutraceutica-uno-nessuno-e-centomila

(6) Dário Dongo. Marketing de influenciadores, nosso relatório ao Antitruste. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 25.07.20/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/consum-attori/influencer-marketing-la-nostra-segnalazione-all-antitrust

(7) Dario Dongo, Selena Travaglio. Marketing de influenciadores, quais regras? PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 23.07.20/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/consum-attori/influencer-marketing-quali-regole

(8) Dário Dongo, Insetos à mesa, autorizações de novos alimentos na UE. O Estado da arte. (Grande comércio de comida italiana). 13.02.22/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/innovazione/insetti-a-tavola-autorizzazioni-novel-food-in-ue-lo-stato-dell-arte

(9) Dário Dongo, Marta Cantado. Microalgas e insetos a busca por proteínas sustentáveis ​​no Horizonte 2020. 27.05.20/XNUMX/XNUMX, PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) https://www.greatitalianfoodtrade.it/innovazione/microalghe-e-insetti-la-ricerca-di-proteine-sostenibili-in-horizon-2020

(10) Dário Dongo. Imagindairy, o “leite” da agricultura celular. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 24.12.21/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/innovazione/imagindairy-il-latte-da-agricoltura-cellulare

(11) Equipe editorial da GIFT, NBT, o lado negro das novas técnicas de edição. Revisão científica. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 06.03.21 https://www.greatitalianfoodtrade.it/sicurezza/nbt-il-lato-oscuro-delle-nuove-tecniche-di-editing-rassegna-scientifica

(12) Marta Cantado. Sorbitol e outros polióis, os adoçantes a granel. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 04.04.2018/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/dolcificare/sorbitolo-e-altri-polioli-i-dolcificanti-di-massa

(13) Marta Strinati, Dario Dongo, Poluição plástica, as responsabilidades da Big Food. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 12.01.22/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/imballaggi-e-moca/inquinamento-da-plastica-le-responsabilità-di-big-food

(14) Marta chamuscado, Microplásticos, bebês e meninas 10 vezes mais expostos que adultos. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 02.11.21 https://www.greatitalianfoodtrade.it/sicurezza/microplastiche-neonati-e-bambini-10-volte-più-esposti-rispetto-agli-adulti_1

(15) Marta Cantado. Garrafas plásticas de água, altos níveis de migração química. 12.02.22. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) https://www.greatitalianfoodtrade.it/imballaggi-e-moca/borracce-in-plastica-alti-livelli-di-migrazione-di-sostanze-chimiche

(16) Marta chamuscado, Pare de garrafas plásticas. A petição do Greenpeace. 20.09.21. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) https://www.greatitalianfoodtrade.it/consum-attori/stop-alle-bottiglie-di-plastica-la-petizione-di-greenpeace

(17) Ísis Consuelo Sanlúcar Chirinos. Acordo histórico das Nações Unidas contra a poluição plástica. 05.03.22. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) https://www.greatitalianfoodtrade.it/progresso/storico-accordo-delle-nazioni-unite-contro-l-inquinamento-da-plastica

(18) Dario Dongo, Carlotta Suardi. Prebióticos e probióticos, microbioma e sistema imunológico. 28.04.22/XNUMX/XNUMX, PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) https://www.greatitalianfoodtrade.it/salute/prebiotici-e-probiotici-microbioma-e-sistema-immunitario

(19) Marta Cantado. Microbiota intestinal, duas pesquisas italianas financiadas pelos vinhos Batasiolo. 04.11.21. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) https://www.greatitalianfoodtrade.it/progresso/microbiota-intestinale-due-ricerche-italiane-finanziate-dai-vini-batasiolo

(20) Marta Strinati, Dario Dongo. Correlações entre dieta, microbioma intestinal e saúde. Estudo científico em 1098 indivíduos. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 15.01.21/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/salute/correlazioni-tra-dieta-microbioma-intestinale-e-salute-studio-scientifico-su-1098-individui

(21) Dario Dongo, Ylenia Patti Giammello. Embalagem ativa e inteligente. Regras, estado da arte, a patente ENEA. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 16.07.20, https://www.greatitalianfoodtrade.it/imballaggi/imballaggi-attivi-e-intelligenti-regole-stato-dell-arte-il-brevetto-enea

(22) Dário Dongo. Junk-food, sistema imunológico de inclinação. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 29.01.18/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/salute/cibo-spazzatura-tilt-sistema-immunitario

(23) Marta chamuscado, Nanomateriais, muitas áreas cinzentas, de acordo com a ANSES. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 14.06.21/XNUMX/XNUMX, https://www.greatitalianfoodtrade.it/salute/nanomateriali-troppe-zone-d-ombra-secondo-anses

(24) Dário Dongo. Blockchain agroalimentar, do Walmart ao FDA nos EUA, Wiise Chain na Itália. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 09.02.22 https://www.greatitalianfoodtrade.it/idee/blockchain-agroalimentare-da-walmart-alla-fda-in-usa-wiise-chain-in-italia-verso-il-web-3

(25) Dario Dongo, Giulia Baldelli. Fraude alimentar, um problema não resolvido. Relatório "Rede de Fraude Alimentar da UE". PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 30.04.19 https://www.greatitalianfoodtrade.it/sicurezza/frodi-alimentari-un-problema-irrisolto-rapporto-eu-food-fraud-network

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »