HomeProgressoApicultura urbana, um motor de inovação social

Apicultura urbana, um motor de inovação social

Apicultura urbana na Itália, um motor de inovação social. Não há inovação em uma prática agrícola mesmo que seja cidadã. Testemunhamos histórias emocionantes de jovens apicultores em todas as cidades do mundo onde surge o traço distintivo, o de criar abelhas nos telhados das casas e fazer o biomonitoramento. Mas a apicultura urbana é realmente isso? Somos os primeiros a retirar o véu de um novo projeto nacional, descobrimos a apicultura urbana italiana.

Apicultura urbana na Itália, história e virtude

Apicultura na Itália - como já mencionado - é um setor crucial da pecuária nacional. Não só pelo valor económico das suas produções, mas sobretudo pela função da abelha e das outras milhares de espécies semelhantes. Ao serviço da produção agrícola e da biodiversidade, ou seja, a protecção das zonas rurais e florestais não sujeitas a cultivos intensivos pesticidas venenosos

Para Dom Giacomo Angeleri devo a experiência mais significativa para o desenvolvimento da apicultura moderna, no início de 900. De fato, Don Angeleri experimentou uma forma inovadora de condução de abelhas em colmeias e teve a capacidade de divulgar e disseminar essa prática, muito semelhante à que ainda hoje é praticada. Suas abelhas estavam localizadas nas margens do Pó, em Turim, onde seu apiário experimental ainda estava presente até recentemente. E é sempre a ele que devemos a ideia de um quiosque pioneiro de comida de rua, a Casa do Bom Mel, inaugurado em 1920 em frente ao Palácio Real. Sensibilizar os cidadãos para as virtudes do néctar das abelhas e promover a educação alimentar.

Apicultura urbana moderna baseia-se nas experiências do início dos anos 80, quando as universidades de Turim e Bolonha introduziram a ideia de usar as abelhas como 'matrizes ambientais', como sentinelas para medir a saúde do meio ambiente. Em uma idade mais recente, o projeto 'Abelhas e jardins urbanos, possibilitou a realização de análises ambientais em algumas cidades italianas (Milão, Bolonha, Potenza, Turim) cujos primeiros resultados (2017-2018) foram apresentado em 30.1.19/XNUMX/XNUMX à fundação FICO. Graças às abelhas e seus amantes, em apenas um ano a cidade de Milão viu uma redução drástica nos níveis de pesticidas. Bastou pedir e obter da administração municipal a suspensão dos tratamentos das áreas verdes, durante os períodos de floração das plantas melíferas, com glifosato e outros defensivos. Recuperar, já em 12 meses, pelo menos alguma saúde para o ecossistema e seus habitantes. 

Apicultura na cidade e pastagens para abelhas vs. apicultura urbana

Criação de abelhas requer treinamento especial e muita prática, para poder enfrentar os muitos perigos que os animais podem encontrar (por exemplo, predadores, doenças). Para isso responsabilidades são adicionadas e as taxas legais, que são prescritas para o funcionamento de uma colmeia, como um galinheiro e outras atividades de criação de animais. Registros de saúde, rastreabilidade, boas práticas de higiene e autocontrole, tratamentos obrigatórios contra o ácaro Destrutor Varroa, conformidade do laboratório de produção com os requisitos sanitários. 

Conduza as abelhas para a cidade, produzindo mel metropolitano, mantendo as colmeias nos telhados não no entanto, é apicultura urbana. É simplesmente a criação de animais, uma prática de manejo de animais silvestres realizada na cidade, mas ainda e somente apicultura, portanto, apicultura na cidade. Não há inovação ou restituição de valor na cidade-sede, nem um caminho objetivo para salvaguardar a biodiversidade. De fato, se realizado sem preparação adequada, também pode ser prejudicial aos moradores. (1)

Os projetos de apicultura na cidade - mesmo que visando lucro, para atividadessem fins lucrativos'ou educacional - eles ainda dizem respeito às atividades de criação. Nem mais nem menos do que se consegue com burros ou cavalos. E os exemplos de 'apicultura'são numerosos, de São Francisco a Toronto, Copenhague, Dublin, Londres, Sydney, Tóquio, Paris, Detroit, Kampala, Seul, Nova York, Amsterdã, Montague, Belfast, Jacarta, Berlim. As cidades também oferecem pastagens extraordinárias, tanto em variedade quanto em quantidade. (2) Como prova disso, uma bela anedota. Na Sexta Convenção Nacional de Apicultura Urbana, na Universidade Livre de Bolzano, um dos maiores especialistas em análise sensorial do mel - submetido a 'teste cego'(degustação 'às cegas') - apreciou a profusão de aromas característicos dos méis de montanha. Em um mel que veio de um bairro de Londres. O 'Grande Londres'de fato, contava mais de 3500 colméias em 2013. (3) Talvez demais, de acordo com o entomologista Francis Ratnieks, que emitiu um alerta de que os apicultores urbanos na Itália também pegaram em 2017.

'Você pode ser um apicultor urbano mesmo sem criar abelhas. Mas ao ajudar a produzir pastagens para os polinizadores. Apoidea são milhares, de osmias a abelhas. E cada um do seu jeitinho, mesmo nas escolas, consegue criar com simplicidade'pastagens para abelhas'(do mel e não). Cultivo de flores e plantas melíferas, como ervas aromáticas (por exemplo, sálvia, tomilho, hortelã, lavanda, alecrim) e especiarias, girassol e trevo. Em vez de espécies exóticas ou exóticas (por exemplo, acácia). Certamente uma atividade mais simples do que cuidar de uma colméia, e ainda assim tão valiosa.

A comunidade científica e as associações nacionais de apicultura, além disso, reiteraram que as abelhas não são animais domáveis. Em vez disso, eles seguem - e felizmente - hábitos e comportamentos rigorosos que evoluíram ao longo de milhões de anos. São animais que desenvolveram um sistema social praticamente perfeito e sua presença na cidade, do ponto de vista da relação homem-abelha, não envolve qualquer possibilidade de influenciar seu comportamento.

As abelhas vivem de forma independente, eles procuram comida e se reproduzem de forma autônoma. Embora tenha sido demonstrado que eles podem se adaptar às áreas urbanas ainda melhor do que às áreas rurais circundantes. Por essas razões, nossa relação com os insetos melíferos não produz mudanças, exceto pelas consequências (por vezes negativas) de sua exploração para fins produtivos, como pode acontecer na agricultura. Mesmo que tentássemos conversar com eles por horas, aproveitá-los em diferentes envoltórios, protegê-los e até fornecer comida, as abelhas não mudariam seu comportamento e sua relação com o meio ambiente. Eles são e continuam sendo animais selvagens. 

Apicultura urbana e inovação social

O que é então a apicultura urbana e como se diferencia das atividades pecuárias tradicionais, dentro e fora da cidade? A inovação não é material, as colmeias são as mesmas e não há nada de novo, aparentemente. O biomonitoramento em si não é novo nem distinto. A verdadeira novidade da apicultura urbana, por outro lado, é representada pelo valor social da partilha - graças às redes de indivíduos conscientes e experientes - que aspira a favorecer a melhoria da qualidade de vida de todos. Os projetos agregados de grupos únicos de indivíduos visam o benefício da comunidade. Ao estimular as relações entre os cidadãos e o meio ambiente, a solidariedade. E é assim que a apicultura se traduz em uma ferramenta para introduzir mudanças favoráveis.

'Apicultura urbana não é apenas um setor da pecuária, mas um movimento cultural. Uma constelação de temas e interesses, abelhas para ajudar a restaurar as raízes de quem teve que emigrar, uma saída criativa para os limitados por uma deficiência, uma ideia positiva de liberdade para quem está temporariamente encarcerado, o pretexto para propor uma participação ativa e apaixonado dos cidadãos para salvaguardar a biodiversidade, desde a manutenção de colmeias urbanas até o cultivo de fontes de pastagem para abelhas e outros Apoidea.

Suficientemente desvinculado da necessidade de gerar renda, pode criar uma forma avançada de respeito ao bem-estar animal. Ligado à cidade, que é o centro da comunicação, pode levar a formas de arte, envolver escolas e crianças na descoberta de ritmos e expressões da vida natural da cidade, promover a produção local de alimentos, servir para medir a qualidade do meio ambiente por meio de as abelhas.'

'A apicultura urbana como motor de inovação social', a tese produzida no Politécnico de Turim' Arquitetura e Desenho Industrial 'por Cecilia Rolla, usa a metáfora da constelação para melhor expressar a biodiversidade - e a necessidade de viver em cidades cada vez mais funcionais e integradas - que esta abordagem promove. E esta é a chave da interpretação, que vai além da pecuária e da produção de mel, que por sua vez são arquétipos de agricultura independente do conceito de urbanidade.

As prioridades da apicultura urbana são, portanto, diferentes da simples produção de mel. Porque você é orientado para o amor pela natureza e pela beleza, respeito pelos polinizadores e seu bem-estar. Lembrando que eles mesmos podem sentir emoções, (4) vivenciar momentos de alto estresse (Donald Broom, Universidade de Cambridge) e sofrer, gerando opióides entre outras coisas. (5)

Apicultura urbana, a rede mundial para a biodiversidade 

Uma rede mundial para a promoção e proteção da biodiversidade será inaugurada em 20 de maio de 2019 em todo o planeta. Conhecemos (Cortese) alguns de seus participantes do Terra Madre a cada dois anos, juntamente com os delegados de apicultores urbanos de todo o mundo. Podemos vê-los novamente no episódio de Linea Verde, RAI, 26.11.16. Não faltam testemunhos na Itália:

- Um Torino, com a 'Comunidade Alimentar de Apicultores Urbanos', o Parco del Nobile, as 'Abelhas na Cidade', a Universidade de Turim e os jovens apicultores da rede local. Que se dedicam a projetos integrados com 'Jardins Metropolitanos', para polinizar 17 mil metros quadrados de hortas urbanas. Além de programas de biomonitoramento e educação ambiental, em escolas de ensino fundamental e médio,

- para Alessandria, a Associação APS Cambalache introduziu a ideia revolucionária 'Abelha meu trabalho'. Colocar os apicultores profissionais em relação com os imigrantes ex-vítimas de contratação ilegal, que assim aprendem uma esplêndida profissão e se tornam jovens empresários,

- Um Milano, que impulsionou a apicultura urbana ao oferecer cursos e oficinas com escolas e se destaca por um plataforma web destinado a ajudar os iniciantes na apicultura,

- Um Cremona, onde o grupo 'Abelhas Urbanas de Cremona'fornece um apiário aos cidadãos e oferece cursos de apicultura. Fortemente desejado pelos cidadãos, é um projeto de bem comum que nasce dos próprios cidadãos e da necessidade de criar momentos de agregação e consciência do ambiente,

- Um Bologna, próximo à CAAB, estão sendo realizados projetos de biomonitoramento e em breve, com a FICO e a Universidade de Bolonha, um apiário educacional. Em 13.4.19 A linha verde mostrou o projeto de 'Ser,,

- Um Cesena, um projeto que envolve a própria cidade está prestes a se juntar ao projeto europeu 'Rede de Caminho de Abelhas'com outras cidades europeias, incluindo Barcelona e Ljubljana, a capital histórica da integração das abelhas humanas,

- Um Latina 'Abelhas na cidade', que está em operação há 5 anos. Enquanto um Roma apenas nestes dias a primeira associação, 'Roman Api' foi estabelecida. Proteger áreas desfavorecidas com projetos do sistema, juntamente com associações de pais, escolas, produtores,

- Um Potenza os jovens de Legambiente, depois de terem recuperado e reclamado um terreno contaminado, transformaram-no em horta social e depois em apiário. Para gerenciá-lo é um ex-prisioneiro que iniciou seu caminho de 'liberdade' com polinizadores,

- ainda está Segrate, Bolzano, Reggio Emilia, Florença (próximo local da conferência nacional), Bari, Nápoles e Palermo realizar projetos virtuosos. 

Apicultura urbana, o modelo italiano

O modelo italiano de apicultura urbana, por meio dessas testemunhas e do caminho que estão percorrendo, propõe uma visão inovadora da relação com a natureza. Se a abelha e o homem fossem iguais, nossa experiência com as abelhas seria mais rica e mais respeitosa com esses animais aos quais tanto se deve. Contemplar e desfrutar da sua companhia sem pedir ou esperar mais nada, imerso numa agradável paisagem de natureza viva. A ideia de viver junto, desencadeando uma recompensa recíproca é chamada de convívio interespecífico.

Paolo Faccioli, em seu penúltimo livro 'Do outro lado do fumante', requer uma consciência. A produção de 70% dos nossos alimentos depende da atividade e bem-estar dos insetos polinizadores (fonte FAOstat). Mas a sobrevivência dessas espécies, e também da nossa, está ligada a uma série de fatores que exigem uma escolha drástica, como cidadãos e consumidores. O sistema deve mudar, para mitigar a mudança climática e recuperar o meio ambiente. É necessário implementar agroecologia, eliminar ou em qualquer caso reduzir drasticamente tanto o uso de agrotóxicos quanto as áreas cultivadas com monoculturas.

A rede nacional - que em 20.5.19 mostrará a sua nova cara - quer defender um modelo de apicultura que possa estar ao serviço das cidades e dos cidadãos. Para enfatizar que as abelhas não são apenas mel ou telhadosradical-chique'mas um sistema natural complexo. E cada um de nós deve aprender a entendê-lo, libertando-se do paradigma de criar abelhas na cidade. A cidade deve antes ser entendida como um lugar de resiliência e inovação. A apicultura urbana é muito mais. E a partir de hoje está aberto a todos, se cada um de nós quiser ajudar a defendê-lo ou oferecer pastagens de flores e plantas de mel.

Guido Cortese e Dario Dongo

Note

(1) Basta pensar em inúmeros enxames de abelhas que se agarram a infraestruturas feitas pelo homem (por exemplo, calhas, peitoris de janelas, ao ar livre, assentos). Onde um bom apicultor deve tentar reduzir a enxameação, mesmo que seja um fenômeno natural. Pense também em uma única família com forrageadoras que saem da colméia em junho, cerca de dez mil abelhas que soltam excrementos nos lençóis ou nos estacionamentos. Técnica e preparo são essenciais para prevenir e mitigar esses fenômenos

(2) Ver Francesca Cirio, 'SIG e bioindicadores: metodologia de análise baseada em dados melissopalinológicos na atividade de planejamento urbano em Turim'(tese de graduação em Sistemas de Informação Geográfica da Interfaculdade Turim-Milão)

(3) Francis Ratnieks (2013). 'Abelha ou Não Abelha', O biólogo Vol 60 (4) p12-15, http://www.lbka.org.uk/downloads/urban_beekeeping_the_biologist.pdf

(4) 'As abelhas exibem um estado emocional semelhante ao dos vertebrados'. Ver Melissa Bateson, Suzanne Desire, Sarah E. Gartside, Geraldine A. Wright. 'Abelhas agitadas exibem vieses cognitivos pessimistas. Curr Biol. 2011 de junho de 21; 21 (12): 1070-1073. doi: 10.1016 / j.cub.2011.05.017

(5) 'Na abelha, um sistema opioide endógeno ativado por acetato de isoppentila é responsável pela modulação da percepção de estímulos nocipetivos.'. Ver Josuè Nunez, Lourdes Almeida, Norberto Balderrama, Martin Giurfa (1998). 'Feromônio de alarme induz analgesia de estresse através de um sistema opióide na abelha'. Physiol Behav 63 (1) 75-80, 1998. https://doi.org/10.1016/S0031-9384(97)00391-0

Cientista da computação e apicultor profissional. Ex-objetor de consciência, ele serviu e depois se ofereceu como voluntário em uma cantina para os sem-teto em Turim. Ele trata do direito à alimentação, política alimentar, soberania alimentar e biodiversidade. Fundou a associação de Polinizadores Metropolitanos com o objetivo de defender a biodiversidade por meio de projetos específicos de regeneração socioambiental. Representa a Comunidade Slow Food de Polinizadores Metropolitanos. Ele promoveu o nascimento da rede nacional de apicultores urbanos. Dirige um mercado agrícola independente, colabora e escreve para a Egalitè (Onlus Rome), que trata da defesa dos direitos das pessoas desfavorecidas, e para os jornais Great ItalianFood Trade, Qualiformaggio, L'apicoltore Italiano e revistas menores.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Descubra como seus dados são processados.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »