HomeProgressoProibição de produtos de trabalho forçado, proposta da UE

Proibição de produtos de trabalho forçado, proposta da UE

Em 14.9.22, a Comissão Europeia adoptou uma proposta de regulamento que visa reforçar a due diligence respeitar os direitos dos trabalhadores e proibir a colocação e processamento no mercado da UE de mercadorias e produtos derivados de trabalho forçado, incluindo a exploração infantil. (1)

1) Trabalho forçado. Noção

OITOrganização Internacional do Trabalho, define trabalho forçado 'qualquer trabalho ou serviço que seja exigido de qualquer pessoa sob ameaça e para o qual a pessoa não tenha se voluntariado'.
E fornece alguns indicadores nesse sentido:

  • limitação da liberdade de circulação dos trabalhadores,
  • retenção de salários ou documentos de identidade,
  • violência física ou sexual,
  • ameaças e intimidações,
  • dívidas fraudulentas.

Pelo menos 27,6 milhões de pessoas, de acordo com as estimativas (inevitavelmente parciais) da OIT, eles estão sendo forçados a trabalhos forçados. Principalmente (86%) no setor privado e minimamente (14%) em ordens estaduais e/ou judiciais. Em particular nos sectores da indústria transformadora e da construção, na agricultura e na pesca, no trabalho doméstico. (2)

2) Proposta de regulamento da UE

O regulamento da UE proposto prevê, numa fase preliminar, a realização de investigações aprofundadas sobre os potenciais riscos de trabalho forçado nas várias cadeias de abastecimento (artigo 4.º). Com base nos dados e indicadores desenvolvidos pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), bem como em múltiplas fontes de informação (ex. contribuições da sociedade civil, verificações e inspeções no site, inquéritos a empresas individuais. Artigo 5).

Um banco de dados sobre os riscos do trabalho forçado, no que diz respeito a produtos e áreas geográficas específicas, serão criados e atualizados graças ao levantamento e monitoramento de dados (artigo 11). A Comissão Europeia assegurará a coordenação entre as autoridades designadas dos Estados-Membros, bem como publicará orientações sobre due diligence, indicadores de risco, consistência com outros regulamentos da UE (artigos 12,13).

2.1) Responsabilidade dos operadores

Operadores na UE será responsável pela importação, processamento e distribuição de produtos que não sejam derivados ou contenham mercadorias derivadas de trabalho forçado (proposta de regulamento, artigos 3, 2.1.f, 2.1.g).

Due diligence. '"Due diligence de trabalho forçado" significa os esforços feitos pelo operador económico para implementar requisitos obrigatórios, orientações voluntárias, recomendações ou práticas para identificar, prevenir, mitigar ou acabar com o uso de trabalho forçado em relação a produtos que devem ser disponibilizados em no mercado da União ou que se destinam a ser exportados'(proposta de regulamento, art. 2.1.c).

2.2) Proibição de produtos de trabalho forçado

Autoridades alfandegárias nas fronteiras da UE terão de receber dos importadoresinformações de identificação do produto, informações sobre o fabricante ou produtor e informações sobre fornecedores de produtos que entram e saem do mercado da União que foram identificados pela Comissão como estando em risco de trabalho forçado'(Artigo 16).

Tais autoridades devem identificar e bloquear na alfândega todas as mercadorias em relação às quais existam suspeitas justificadas de derivação de trabalho forçado (artigo 17). As autoridades nacionais designadas, por sua vez, serão responsáveis ​​pelos controles no território, com o dever de retirada do mercado e apreensão dos produtos obtidos por trabalho forçado (artigos 5,6,7).

2.3) Supervisão e sanções

Nos casos de avaliação de trabalho forçado na cadeia de abastecimento, os operadores terão de retirar os produtos do mercado e eliminá-los às suas próprias expensas.

Autoridades nacionais, nesses casos, proibirão a colocação no mercado eexportar de produtos. Aplicando as sanções relativas quando apropriado.

2.4) Princípio da proporcionalidade, pequenas e médias empresas

a aplicação do regulamento pelas autoridades competentes deve ter em conta:

  • dimensão e recursos dos operadores económicos em causa,
  • extensão do risco de trabalho forçado.

Pequenas e médias empresas receberão ferramentas especiais de apoio para o cumprimento das novas obrigações de due diligence. (3)

3) Trabalho forçado e due diligence

O esquema de regulamentação em causa, em retrospectiva, integra, através de regras uniformes, a proposta mais ampla de directiva sobre due diligence sobre o respeito pelos direitos humanos e pelo ambiente, adoptado em 23.2.22 pela Comissão Europeia (4,5).

Implemente políticas adequadas di due diligence permitirá às empresas identificar, prevenir, mitigar e contabilizar os riscos reais ou meramente potenciais de trabalho forçado em suas respectivas atividades, cadeias de suprimentos e relações comerciais.

4) Próximos passos

A proposta terá de ser discutido e aprovado pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho da União Europeia antes de poder entrar em vigor e será aplicável a partir dos próximos 24 meses.

Dario Dongo e Elena Bosani

Note

(1) Comissão Europeia. Proposta de regulamento sobre a proibição de produtos feitos com trabalho forçado no mercado da União. https://single-market-economy.ec.europa.eu/system/files/2022-09/COM-2022-453_en.pdf COM (2022) 453

(2) OIT. 50 milhões de pessoas em todo o mundo na escravidão moderna. https://www.ilo.org/global/about-the-ilo/newsroom/news/WCMS_855019/lang–en/index.htm 12.9.22

(3) União Europeia, Ação Externa. Orientação sobre devida diligência para empresas da UE para lidar com o risco de trabalho forçado em suas operações e cadeias de suprimentos. https://trade.ec.europa.eu/doclib/docs/2021/july/tradoc_159709.pdf 12.7.21

(4) Dario Dongo, Elena Bosani. Due diligence e ESG, sustentabilidade social e ambiental das empresas, a proposta de diretiva da UEGIFT (Grande Comércio de Comida Italiana). 20.4.22

(5) Comissão Europeia. Proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho sobre due diligence empresarial para fins de sustentabilidade e que altera a Diretiva (UE) 2019/1937. https://eur-lex.europa.eu/legal-content/IT/TXT/?uri=CELEX:52022PC0071&print=true COM / 2022/71 final

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »