HomeRestaurar-AçãoQualidade da água, atribuições dos gestores de equipamentos públicos e privados

Qualidade da água, atribuições dos gestores de equipamentos públicos e privados

A Diretiva Água (UE) 2020/2184 introduz uma série de responsabilidades e deveres - sobre os gestores da distribuição de água em 'edifícios prioritários' (instalações públicas e privadas que incluem hotéis, restaurantes, ginásios e spas) - em termos de avaliação e risco gestão relativa à qualidade da água destinada ao consumo humano.

O Istituto Superiore di Sanità (ISS), no seu guia sobre como garantir a segurança e a qualidade da água potável, também oferece recomendações úteis aos administradores de condomínios em edifícios privados “não prioritários”. Um olhar aprofundado.

1) Qualidade da água. Diretiva Água e Decreto Legislativo 18/2023

Regulamentos de qualidade da água destinado ao consumo humano foi atualizado a nível europeu com a Diretiva Água (UE) 2020/2184, implementada em Itália através do Decreto Legislativo n.º 23 de fevereiro de 2023. 18, em vigor a partir de 21 de março de 2023. As principais alterações, em comparação com a legislação anterior (em Itália, Decreto Legislativo 31/2001):

  • alterações na natureza e nos valores dos parâmetros da água destinada ao consumo humano. Alguns limites dos parâmetros químicos existentes são modificados, novos parâmetros a serem monitorados são introduzidos e outros anteriormente regulamentados são eliminados (por exemplo, Pseudomonas aeruginosa)
  • avaliação de risco através de 'planos de segurança da água'
  • avaliação dos riscos relacionados com a distribuição no interior dos edifícios
  • comunicação eficaz e transparente aos cidadãos
  • melhorar o acesso à água
  • requisitos mínimos de higiene para materiais destinados a entrar em contacto com água potável
  • introdução de formação obrigatória para gestores de sistemas de água, canalizadores e outros profissionais.

2) Responsabilidade

A responsabilidade de manter a qualidade da água destinado ao consumo humano até pontos de consumo individual é atribuído ao Gestor Interno de Água de Distribuição (GIDI). Ou seja, dependendo do caso:

- 'o proprietário, o proprietário, o administrador, o diretor ou

– qualquer pessoa, mesmo que delegada ou contratada

– responsável pelo sistema de distribuição de água potável em locais públicos e privados, localizados entre o ponto de entrega e o ponto de utilização da água' (Decreto Legislativo 18/2023, artigo 2.1.q).

3) Edifícios prioritários, avaliação e gestão de riscos

As propriedades'ampla, para uso não doméstico, ou partes de tais edifícios, em especial para uso público, com numerosos utilizadores potencialmente expostos a riscos relacionados com a água' – identificados como 'edifícios prioritários' (Decreto Legislativo 18/2023. Artigos 2.1.i, 9, Anexo VIII) – estão sujeitos a:

– desenvolvimento de um “plano de segurança da água”, ou um plano de automonitoramento e gestão de riscos pelo Gestor de Água da Distribuição Interna conforme identificado acima, que inclui

– monitoramento cumprimento dos parâmetros químicos (Anexo I) da água desde o ponto de entrada do edifício até aos pontos de utilização (ou seja, torneiras. Decreto Legislativo 18/2023, artigo 5, Anexo I) e

- avaliação de risco, que varia em função do tipo de edifício e da classe de risco, de acordo com as prioridades indicadas em relatório específico do Istituto Superiore di Sanità. (3)

Gestores de água de distribuição interna devem inserir os documentos relativos à avaliação e gestão de riscos, até 12 de janeiro de 2029, no sistema AnTeA (Registo Territorial Dinâmico de Água Potável). Prevendo sua revisão e eventual atualização a cada seis anos.

3.1) Edifícios prioritários, estruturas públicas e privadas

Edifícios prioritários Eles incluem:

  • instalações residenciais e semi-residenciais de saúde, saúde social e bem-estar social
  • instalações de alojamento em hotéis
  • prisões
  • acampamentos
  • academias e centros esportivos, fitness e bem-estar
  • navios de transporte de passageiros equipados com sistemas de dessalinização de água
  • estações e aeroportos
  • restauração pública e colectiva, incluindo cantinas de empresas públicas e privadas e escolares
  • instituições de ensino equipadas com instalações desportivas (com derrogação inaceitável a favor de terceiros, ed.)
  • outras estruturas de uso colectivo (ou seja, estabelecimentos balneares).

4) Edifícios «não prioritários», recomendações da ISS

Avaliação de risco no entanto, não é exigido para edifícios “não prioritários”, como residências, escritórios, lojas e condomínios relacionados. O relatório do Istituto Superiore di Sanità também recomenda a aplicação de medidas gerais de prevenção e controle nestes edifícios. Melhor ainda, organize um plano de controlo da qualidade da água que deverá incluir, em particular:

  • uma verificação da presença de Legionella e / ou Legionella pneumophila natureza bienal
  • verificando se há qualquer contaminação por chumbo
  • a adoção de medidas preventivas e corretivas, proporcionais aos riscos de segurança alimentar encontrados.

Maria Grazia Sangalli, Maria Ada Marzano, Dario Dongo

Note

(1) Dario Dongo e Ylenia Patti Giammello. Água potável, lei universal e diretiva da UE. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 9.7.21

(2) Giulia Pietrollini. Implementação da diretiva da UE 2020/2184 sobre a gestão da água potável. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 31.3.23

(3) ISS. Relatório ISTISAN 22/32 – Diretrizes para a avaliação e gestão do risco de segurança hídrica nos sistemas de distribuição interna de edifícios prioritários e não prioritários e em certos navios nos termos da Diretiva (UE) 2020/2184 http://tinyurl.com/ypjp7tbp

(4) Ver documento citado na nota 3, parágrafo 8 (Recomendações para edifícios não prioritários da classe E)

ADVOGADA MARIA GRAZIA SANGALLI
+ postagens

Advogado do Supremo Tribunal

MARIA ADA MARZANO
Maria Ada Marzano
+ postagens

Médico veterinário especialista em inspeção de alimentos de origem animal e médico pesquisador em nutrição animal e segurança alimentar.

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »